Para ministro, setores do PT devem deixar BC atuar com tranqüilidade

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, não concorda com as críticas que setores do Partidos dos Trabalhadores estão fazendo sobre a política de monetária conduzida pelo Banco Central. "Vamos deixar o Banco Central atuar com tranqüilidade. Para que ficar fungando no cangote deles?", declarou o ministro, ao chegar no 13º Encontro Nacional da sigla, que começa nesta sexta-feira na capital paulista.Além de rebater as críticas que o PT vem fazendo sobre a atuação do BC, Bernardo defendeu a atuação do ministro da Fazenda, Guido Mantega. Sem entrar na suposta polêmica entre a Fazenda e o Banco Central, o ministro do Planejamento fez ponderações favoráveis a Mantega e ao presidente da autoridade monetária, Henrique Meirelles. E destacou: "A discussão é sempre muito importante."Na avaliação de Paulo Bernardo, a crise que atingiu o governo e o PT está se esvaziando. "O povo não está mais falando em crise e reabrir os casos (de punição aos parlamentares petistas envolvidos no mensalão) seria como colocar uma bola de ferro nos próprios pés."Ainda a respeito da crise, o ministro responsabilizou a oposição, sobretudo o PSDB e o PFL, pelas críticas que o PT e o governo ainda recebem. "O PT não pode cometer a ingenuidade de achar que alguns (oposição), que apontam os dedos lambuzados, estão acima de qualquer suspeita." E defendeu que o PT pare de se açoitar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.