Para ministro Pimentel, Itamar foi 'grande brasileiro'

Autoridades lamentam a morte do ex-presidente da República e senador Itamar Franco (PPS-MG), 81. Ele morreu na manhã deste sábado no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, onde estava internado desde o dia 21 de maio para tratar de leucemia.

GLAUBER GONÇALVES, MARCELO PORTELA E EDUARDO KATTAH, Agência Estado

02 de julho de 2011 | 17h46

Em nota, o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, se refere ao ex-presidente como um "grande brasileiro" e ressalta como legados de Itamar a estabilidade política e monetária "num momento crucial da vida nacional".

O prefeito da capital fluminense, Eduardo Paes, também destacou a importância de Itamar na estabilização econômica do Brasil, mencionando o Plano Real, lançado durante o governo do ex-presidente. "Itamar Franco foi acima de tudo um defensor da democracia Sua morte é uma grande perda para todos os brasileiros", disse o prefeito em nota.

"Grande brasileiro"

"Grande brasileiro" foi o termo usado hoje pelo ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, para se referir ao senador Itamar Franco. Pimentel lamentou a perda e lembrou momento da trajetória do ex-presidente.

Em nota, o ministro ressaltou a "competência e espírito público" que norteou a carreira de Itamar como presidente da República, governador de Minas, senador e prefeito de Juiz de Fora. E ressaltou a importância do ex-presidente no comando da União. "O Brasil perde um presidente que deu o passo fundamental para o fim da inflação e a conquista da estabilidade econômica, base dos avanços sociais nos últimos anos", afirmou.

Pimentel foi o preterido na disputa por uma vaga no Senado no ano passado justamente em corrida contra Itamar, além do ex-governador de Minas e também eleito senador Aécio Neves (PSDB). Mas, para o ministro, apenas a presença de Itamar no pleito já "qualificou" a disputa, assim como as outras eleições disputadas pelo ex-presidente.

Também em nota, o colega de bancada no Senado, Clésio Andrade (PR), classificou Itamar como "exemplo de retidão ética e de profunda dedicação ao seu povo". Clésio, que assumiu a vaga aberta com a morte de Eliseu Resende (DEM-MG) em janeiro, salientou a importância da convivência com o ex-presidente na Casa. "Nesses cinco meses em que convivi com Itamar Franco no Senado, aprendi muito e pude testemunhar mais de perto a firmeza e convicção com que defendia suas idéias", afirmou.

OAB

O presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, também lamentou hoje a morte de Itamar. "A OAB expressa o mais profundo pesar diante do falecimento de Itamar Franco, cujo legado para história contemporânea transcende aquele de ter promovido a estabilidade econômica no País."

"Senado fica menor"

O senador Jorge Vianna (PT-AC) afirmou que, com a morte do ex-presidente da República e senador Itamar Franco, "o Senado fica menor e a política brasileira perde uma pessoa da maior integridade". Segundo ele, em curto espaço de tempo, Itamar se impôs como um expoente do Parlamento, por sua disciplina, disponibilidade e empenho.

O líder do PSDB na Câmara, deputado Duarte Nogueira, manifestou pesar pelo falecimento de Itamar Franco.

"Manifesto meu profundo pesar pelo falecimento do senador e ex-presidente Itamar Franco. É uma grande perda para o País e para a política brasileira. Itamar teve um papel fundamental no período pós-impeachment, um dos momentos mais delicados e emblemáticos para a democracia brasileira, e também no processo de construção do Plano Real, que controlou a inflação e estabilizou a economia. Itamar conciliou política, honra e austeridade. Manifesto também minha solidariedade aos familiares e amigos."

Assembleia Legislativa de SP

Em nome de toda a bancada, o líder do PPS na Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado estadual Alex Manente, resumiu a importância do senador ao caracterizar sua atuação política como "fundamental para a democracia e evolução econômica do Brasil". "Poucos políticos têm uma história como a de Itamar, que ajudou a organizar nosso País e nunca deixou de defender suas propostas e trabalhar pela nossa pátria."

Zezé Perrella

O ex-deputado José Perrella de Oliveira Costa, o Zezé Perrella, primeiro suplente de Itamar Franco, divulgou nota lamentando a morte do senador. Filiado ao PDT, Perrella já pertenceu ao PSDB e tem ligação com os tucanos mineiros. Presidente do Cruzeiro, o ex-deputado é mais conhecido pela atuação como dirigente esportivo.

"Os compromissos do ex-presidente para com Minas e o Brasil são conhecidos por várias gerações de mineiros, e deles todos nós nos orgulhamos. Tive a honra de ter sido indicado pelo meu partido, o PDT, como suplente do senador Itamar nas últimas eleições. Lamentando profundamente as circunstâncias, manifesto a todos os mineiros o meu compromisso de dar o melhor de mim para garantir a continuidade do trabalho do senador Itamar em defesa dos interesses de Minas", disse Perrella.

Tudo o que sabemos sobre:
Itamar Francomorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.