Para ministro do Supremo, Genoino exerceu um direito ao renunciar

Marco Aurélio Mello classificou decisão de parlamentar, preso por envolvimento no mensalão, como 'escolha política'

Daiene Cardoso - Agência Estado

04 Dezembro 2013 | 12h41

Brasília - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello disse na manhã desta quarta-feira, 4, que o ex-presidente do PT José Genoino exerceu um direito ao renunciar ao mandato de deputado federal. "A renúncia é um ato espontâneo e voluntário", classificou o ministro. "É o exercício de um direito e uma escolha política", complementou Marco Aurélio, que recebeu a Medalha Mérito Legislativo na Câmara nesta manhã.

Nessa terça, 4, diante da iminente abertura de processo de cassação, Genoino encaminhou sua carta de renúncia à Mesa Diretora da Câmara. O deputado, condenado a 6 anos e 11 meses por envolvimento no mensalão, está preso desde o dia 15 de novembro.

Também nesta manhã, o presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), disse que o assunto já era "página virada". O líder do PT e irmão de Genoino, José Guimarães (CE), alfinetou a Mesa. "Ele (Genoino) teve um gesto grandioso, talvez maior do que alguns membros da Mesa", provocou Guimarães.

O irmão de Genoino contou que passou a manhã recebendo manifestações de solidariedade dos deputados no dia em que o ato de Genoino foi oficializado pelo Diário Oficial. "O sentimento da Casa é que o Genoino é um homem honesto e honrado. Ninguém queria cassá-lo", afirmou Guimarães. Segundo ele, Genoino tem hoje o sentimento de "dever cumprido" após a renúncia. "Ele tem uma história e um legado que ninguém apaga", emendou o líder.

Dirceu. Ao ser questionado sobre a revelação da TV Globo de que o presidente do hotel que ofereceu emprego ao ex-ministro José Dirceu mora em área pobre do Panamá, Marco Aurélio Mello manifestou indignação. "Como cidadão, não vejo com bons olhos", respondeu. O ministro ressaltou que a questão não está retratada em processo judicial e que o STF ainda não havia sido provocado a se pronunciar sobre o assunto. "A explicação é à sociedade. Todos nós devemos contas à sociedade", finalizou.

Mello também criticou a "confusão" em torno do debate sobre cumprimento de pena no regime aberto e semiaberto. "O regime aberto sim é um direito dos reeducandos. Esperamos que todos sejam reeducados no sentido de trabalhar durante o dia e pernoitar à noite. No regime semiaberto depende de autorização e não podem ser saídas continuadas de forma linear", explicou.

Mais conteúdo sobre:
mensalãoGenoino

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.