Para Mercadante, violência no campo não se resolve com CPI

O líder do governo no Senado, senador Aloizio Mercadante (PT-SP), afirmou, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), que o problema da violência no campo não se resolve com uma CPI, e sim "com políticas públicas, com negociação, com diálogo". Mercadante deixou claro que o governo não tem interesse em apoiar a a CPI do MST, mas disse que, se o Senado instalá-la, o governo vai apoiar, desde que ela trate também de problemas como o da estrutura fundiária do País, a propriedade improdutiva, as milícias armadas pelos ruralistas e a impunidade dos assassinatos de trabalhadores rurais. "É preciso fazer uma análise mais abrangente do que apenas analisar um único movimento social (o MST), até porque, além do MST, há outras entidades que lutam pela reforma agrária", disse Mercadante. Ele voltou a falar do esforço que o governo tem feito para viabilizar a pequena agricultura e, sobretudo, favorecer economicamente os assentamentos. Disse acreditar que é dessa forma que o problema será resolvido.

Agencia Estado,

07 de julho de 2003 | 18h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.