Para Mercadante, Legislativo respondeu às reivindicações

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, que está operando como uma espécie de porta-voz do Planalto nas respostas à manifestações populares, disse nesta quarta-feira, 26, que governo e Legislativo estão ouvindo os apelos das ruas e respondendo com medidas efetivas às questões apresentadas em protestos que tomaram recentemente as ruas do País. "Ontem eu acho que (o Legislativo) respondeu a alguma das aspirações que haviam sido expressas nas manifestações, que era o fim da PEC 37. E também houve a votação dos royalties no petróleo na forma como a Câmara achou que deveria ser", disse.

TÂNIA MONTEIRO E RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

26 Junho 2013 | 13h17

"Estamos aguardando agora a decisão do Senado sobre os royalties para educação, que era um outro ponto do pacto que a presidenta construiu com governadores e prefeitos", comemorou Mercadante, ao parabenizar os parlamentares pela derrubada da PEC 37 e aprovação de destinação de recursos para educação. "É positivo que Câmara tenha acolhido propostas do pacto", comemorou.

O ministro destacou que os royalties são uma riqueza que vai acabar e, por isso, defendeu que "é preciso visão estratégica". Ele advertiu que a ideia de destinar 25% dos royalties para saúde ainda será analisada pelo Senado. "Vamos aguardar", considerou, reforçando que há expectativa sobre mais avanços. "O Plano Nacional de Educação deve ser votado com muita agilidade", declarou.

"As coisas estão acontecendo com forte trabalho da Câmara e do Senado, e isso é exatamente o que as manifestações apresentavam, uma reforma política, instituições mais oxigenadas, melhores serviços públicos, mais recursos para educação e saúde. Eu acho que o Congresso está trabalhando intensamente, assim como o governo, em todos os níveis, para fazer o Brasil avançar, a democracia brasileira avançar."

Sobre a realização de plebiscito, ele argumentou que com este instrumento o povo pode ser sujeito das decisões e "será estrutural para a reforma política". Advertiu que referendo também é instrumento de participação popular, mas mais limitado. "Em referendo população apenas diz sim ou não", observou. Ele reforçou que a presidente está recolhendo junto a todos partidos questões para plebiscito.

Sobre as manifestações populares, Mercadante fez questão de repetir que "é da democracia" e lembrou que ele mesmo participou de muitos protestos quando era mais novo. "Eu e toda minha geração lutamos muito para que isso acontecesse", emendou.

Mais conteúdo sobre:
prostestos Mercadante Legislativo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.