Para Mendes, mensalão pode gerar crise de 'legitimidade'

Escândalo envolvendo governador do DF repercute no STF e no Senado; Simon cobra explicações do PMDB

04 de dezembro de 2009 | 17h30

O escândalo de corrupção envolvendo o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), foi o principal assunto discutido em Brasília nesta sexta-feira, 4. Arruda é acusado de chefiar um esquema de desvio de dinheiro e aparece em um vídeo realizado pela polícia federal durante a investigação, que foi divulgado nesta semana.

 

Veja também:

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

blog  JOÃO BOSCO: acompanhe o caso; veja vídeos, oração da propina e mais 

especial Entenda as acusações contra o governador do Distrito Federal

documento Inquérito da Operação Caixa de Pandora

linkCâmara do DF acata dois pedidos de impeachment de Arruda

Ao comentar o caso, que ficou conhecido como mensalão do DEM, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, afirmou que "é preocupante porque pode afetar a legitimidade do sistema político". Mendes defendeu mudanças no financiamento de campanhas eleitorais. "Esse modelo de financiamento exclusivamente privado e captado pelos candidatos ou envolvidos é propiciador desse modelo [de corrupção]. Precisamos refletir sobre esse assunto", ressaltou o ministro.

 

No Senado, Pedro Simon (PMDB-RS) alfinetou Arruda em plenário e disse que "a corrupção no Brasil daria para comprar panetones para todos os habitantes do planeta", em referência à alegação do governador de que o dinheiro que aparece no vídeo da Polícia Federal teria sido usado para a compra de alimentos para os pobres.

 

Simon também aproveitou a ocasião para cobrar da direção nacional do PMDB explicações sobre um possível envolvimento de políticos do partido na crise do governo do Distrito Federal, citados em gravações reunidas na investigação feita pela Polícia Federal sobre o caso.

 

Por outro lado, o senador Mão Santa (PSC-PI) afirmou que o País foi tomado por "um tsunami de desmoralização e corrupção" e voltou a criticar o Governo Federal e o presidente Lula. "Nunca vi tanto descaramento. Está na hora de o bravo povo de Brasília pegar o chicote e colocar esses vagabundos corruptos pra fora", ressaltou.

 

Política de combate à corrupção

 

Em nota divulgada nesta sexta-feira, a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) pediu a criação de uma Política Judiciária de Combate à Corrupção, para regulamentar a "prioridade ao julgamento de processos relativos à corrupção e defesa do patrimônio público que envolvem agentes públicos".

 

A instituição, que participou em 2007 da campanha Juízes Contra a Corrupção, propôs também o fim do foro privilegiado e a criação de varas e câmaras especializadas para julgar esse tipo de crime.

 

"É preciso dar celeridade e uma resposta mais ágil e eficaz à sociedade sobre esses escândalos contra o erário público", afirmou o presidente da entidade, Mozart Valadares. Segundo ele, a lentidão nos julgamentos dessas ações estimula a impunidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.