JOJSER PATRICIO/AE
JOJSER PATRICIO/AE

Para Marina, PV precisa se reformular antes de lançar candidato

Senadora que se juntou aos verdes disse que só anunciará candidatura depois de novo projeto ideológico

Gustavo Uribe, da Agência Estado,

21 de setembro de 2009 | 20h27

Pré-candidata do PV à Presidência da República em 2010, a senadora Marina Silva (AC) reconheceu nesta segunda-feira, 21, que a sigla tem arestas a polir rumo à disputa do ano que vem. "O PV não é um partido perfeito. Estamos em um processo de aperfeiçoamento", afirmou a senadora na gravação do programa Roda Viva, que foi ao ar na noite desta segunda pela TV Cultura.    

 

A ex-ministra do Meio Ambiente reafirmou que apenas definirá uma candidatura à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva quando a sigla passar por uma reformulação ideológica. "Estamos em processo de diálogo", ressaltou.

Desde o último dia 11, o PV discute a cartilha que deve nortear a atuação da sigla a partir do ano que vem. O comitê responsável pela definição do novo programa do partido busca definir uma identidade em prol do desenvolvimento sustentável e contrária ao fisiologismo. A previsão das lideranças do PV é de que o novo programa fique pronto no início do ano que vem.

Durante a entrevista, Marina evitou falar como candidata ao Palácio do Planalto, mas vez por outra admitiu a participação na disputa eleitoral. Questionada sobre qual deve ser sua plataforma no ano que vem, Marina primeiro tergiversou: "Temos essa mania de antecipar as eleições e ainda tem muita água para correr debaixo dessa ponte."

Contudo, ao ser perguntada sobre se apoiaria o eventual candidato do PSDB, o governador paulista José Serra, em um segundo turno nas eleições de 2010, Marina adotou retórica de candidata. "Então você está admitindo que não vou para o segundo turno?", perguntou ao entrevistador, enfática.

Em mais uma indicação de que será mesmo candidata, Marina antecipou que o PV já projeta um leque de apoios para as eleições. "Só articularemos apoios no ano que vem. Neste momento, são apenas projeções", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.