Para Maluf, Datafolha errou na pesquisa

O candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PP, Paulo Maluf, questionou hoje os resultados da pesquisa eleitoral divulgada ontem pelo Datafolha, que aponta uma queda das intenções de voto em sua candidatura. Segundo a pesquisa, o candidato permanece em terceiro lugar na preferência do eleitorado, atrás de José Serra (PSDB) e da prefeita Marta Suplicy (PT).Mas, entre a sondagem realizada em 26 de agosto e a atual, Maluf perdeu 4 pontos porcentuais nas intenções de voto, ficando com 12% do total. A pesquisa mais recente mostra que Serra ganhou, desde a sondagem anterior, 7 pontos porcentuais, atingindo 37% das intenções de votos. Com esse movimento, Serra ultrapassou a prefeita Marta Suplicy, que perdeu um ponto porcentual entre uma sondagem e outra, e agora está com 33%."Não tenho nenhuma dúvida que o Datafolha errou", disse Maluf, que esteve em campanha na manhã desse domingo no Sacolão do Jardim Miriam, na Zona Sul da capital paulista. Maluf afirmou que uma pesquisa de intenção de votos do instituto Vox Populi, divulgada há alguns dias, lhe conferiu 21% da preferência dos eleitores paulistanos. "E as ruas me dão de 25% a 30%", acrescentou o candidato, baseando-se no corpo a corpo com os eleitores.Pesquisas anteriores erraram, diz MalufEvitando criar uma polêmica, Maluf, destacou que não quis afirmar "que os institutos não são honestos", acrescentando que "ninguém pode contradizer um instituto sério e o Datafolha é um instituto sério". "Mas os institutos fazem as pesquisas com os seres humanos e os seres humanos erram", afirmou. "O Datafolha já errou e o Ibope já errou muitas vezes antes", acrescentouMaluf lembrou que, no passado, pesquisas que lhe deram vitória certa em eleições para a Prefeitura de São Paulo acabaram sendo contrariadas pelos resultados da apuração das urnas. Segundo Maluf, nas eleições de 1988 para a Prefeitura de São Paulo, o Datafolha havia apurado que, um dia antes da votação, ele estava com seis pontos porcentuais na frente de Luiza Erundina, com 26%. "Quando abriram as urnas, eu perdi por seis pontos", disse ele.Em 1990, "o Ibope deu que eu ganharia as eleições" para o governo estadual. "Mas eu perdi; quem ganhou foi o Fleury", disse Maluf. Em 1998, pesquisas também do Ibope indicaram que Maluf estava em primeiro lugar na disputa pelo governo do Estado, com Francisco Rossi em segundo, Mário Covas em terceiro e Marta Suplicy em quarto. "O Ibope errou e prejudicou a Marta, que estava em segundo", disse Maluf. Segundo ele, o erro "deu voto útil para o Covas, para que o Rossi não fosse para o segundo turno". Marta não foi para o segundo turno "por 70 mil votos", lembrou Maluf."Se todas as pesquisas fossem válidas, não haveria a necessidade de se realizar eleições", disse Maluf. "Uma pesquisa com 2 mil pessoas não pode substituir 8 milhões de eleitores", acrescentou. Ele considera que a amostragem ideal para uma pesquisa eleitoral seria de 10 mil a 15 mil eleitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.