DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Para Maia, DEM pode ter nome bom ao Planalto

Presidente da Câmara, porém, nega intenção de participar do pleito e diz que tentará reeleição

Carmen Pompeu, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2017 | 05h00

FORTALEZA - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta sexta-feira, 15, em Fortaleza que o seu partido tem “toda a condição de ter um bom candidato a presidente da República” em 2018. Ele agradeceu a lembrança de seu nome feita por aliados, mas descartou entrar na disputa.

“Agradeço muito a lembrança dos meus aliados, mas eu já disse a todos que eu sou candidato a deputado federal. Tenho ajudado o Brasil e o meu Estado como presidente da Câmara. Se eu conseguir renovar meu mandato de deputado, eu continuarei ajudando o Brasil nas grandes reformas e também o meu Estado”, afirmou Maia ao Estado, após participar de uma cerimônia no Palácio da Abolição, sede do governo cearense.

+++Após Agripino virar réu, DEM adia convenção

De acordo com ele, o partido precisa se organizar internamente. Após o Supremo Tribunal Federal (STF) aceitar denúncia contra o presidente do DEM, senador José Agripino Maia (RN), e torná-lo réu na Operação Lava Jato, o DEM adiou a convenção nacional da sigla que estava marcada para quinta-feira passada. O encontro, agora, será em fevereiro.

+++Após virar réu, DEM faz 'desagravo' a Agripino em jantar do partido

Questionado se haveria tempo para se construir essa candidatura ao Planalto, uma vez que outros partidos já largaram na frente apresentando seus pré-candidatos, Maia respondeu que sim. “Acho que a sociedade só vai começar a olhar eleição lá pelo mês de abril”, disse.

Além do evento no Palácio, onde acompanhou, ao lado do ministro da Educação, Mendonça Filho, liberação de verbas para o Ceará, Maia também foi à Assembleia Legislativa, para participar da filiação do deputado federal Danilo Forte ao DEM. Uma faixa com “Rodrigo Maia Presidente – coragem para mudar o Brasil” foi estendida no fundo do auditório.

Os oradores disseram que o partido precisa passar de “coadjuvante” a “protagonista” nas eleições presidenciais. “Temos nomes que têm capacidade para exercer esse protagonismo”, disse o deputado Efraim Júnior, citando Maia, o prefeito de Salvador, ACM Neto, e o líder no Senado, Ronaldo Caiado (GO).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.