Para Lula, salário mínimo nunca será ideal porque é mínimo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva usou seu programa semanal de rádio, Café com o Presidente, para defender o reajuste anunciado do salário mínimo, que vai subir em abril de R$ 300 para R$ 350. Lula ressaltou que o novo valor, descontando-se a inflação, vai embutir um aumento real de 13%. Disse ainda que a medida vai injetar mais R$ 15 bilhões na economia."Obviamente o salário mínimo nunca será o ideal, porque ele é o mínimo", disse Lula, ao avaliar que o reajuste vai aumentar significativamente o poder de comprar do trabalhador. Depois de classificar como "histórica" a participação de sindicalistas nas negociações, Lula aproveitou para elogiar o Congresso, "que está trabalhando de forma bastante aguerrida para aprovar coisas importantes para o povo brasileiro"."As coisas estão andando. Estão andando bem", afirmou o presidente. "O povo brasileiro soube, nos momentos certos, fazer pressão, soube exigir, soube reivindicar, e o nosso papel no governo é atender." Lula lembrou ainda que os indicadores oficiais confirmam o crescimento do número de empregos no País e o aumento da renda da população.O presidente fez previsões otimistas para 2006: "Será um ano de crescimento econômico, de aumento de produtividade, de crescimento das exportações, de crescimento da renda do trabalhador." Ele admitiu que o terceiro trimestre de 2005 foi fraco, com recuo da atividade econômica, mas afirmou que a partir de outubro já foi possível perceber sinais de retomada."É para isso que nós trabalhamos e é nisso que nós apostamos: num novo ciclo de crescimento econômico para o Brasil, de forma sustentável, em que não cresça apenas a riqueza da empresa, em que não cresça apenas o índice de produtividade", disse Lula. "Que cresça a riqueza da empresa, que cresça o índice de produtividade, mas que cresça também o salário do trabalhador e que cresça também a qualidade de vida do povo brasileiro."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.