Para Lula, mortos são heróis, e não vítimas

Sem citar diretamente a polêmica sobre tortura, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou ontem que estudantes e operários mortos no regime militar devem ser tratados como heróis, e não como vítimas. "Toda vez que falamos dos estudantes e operários que morreram, falamos xingando alguém que os matou. Esse martírio nunca vai acabar se a gente não aprender a transformar os nossos mortos em heróis, não em vítimas", discursou Lula, em ato durante o qual assinou mensagem encaminhando ao Congresso projeto de lei reconhecendo a responsabilidade do Estado pela destruição da sede da União Nacional dos Estudante (UNE) e propondo uma indenização à entidade. Entenda o processo que resultou na Lei da Anistia e veja a íntegra Para Lula, o Brasil não tem heróis. "A gente só lembra de Tiradentes. O Brasil tem muitas lutas importantes, mas nós não os cultuamos para dar valor ao que essas pessoas fizeram", disse. "Imagina se a Frente Sandinista (de Libertação Nacional) ficasse lamentando todos os que (Anastasio) Somoza matou? Imagina se o Fidel Castro ficasse lamentando todos os que o (Fulgencio) Batista matou?", questionou o presidente.O terreno na Praia do Flamengo, em que passou a funcionar um estacionamento, foi retomado pela UNE em 2007. A nova sede tem projeto de Oscar Niemeyer. "É importante que a UNE e a UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) articulem um projeto de convencimento dos deputados e dos senadores. O dinheiro está no Ministério da Justiça. A gente não pode dar porque senão vão vir muitos processos contra nós", disse o presidente.Tembém presente no local, o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), foi vaiado por centenas de estudantes e reagiu em seguida, sorridente, ao iniciar seu discurso: "Calma, calma: 2010 ainda está longe", declarou. Serra era presidente da UNE em 1.º de abril de 1964, quando a sede da entidade foi incendiada, à noite, depois de ter sido atacada, após o golpe militar. Segundo ele, o prédio foi o principal foco de violência no dia do golpe por causa do "papel que os estudantes tinham na mobilização democrática"."A principal característica política da UNE era a defesa da democracia, contra rupturas do processo democrático, viessem de onde vissem, ou golpe de esquerda, ou golpe de direita. A gente vivia em outro País", disse Serra. Na época, havia cerca de 140 mil estudantes universitários, e hoje o número é no mínimo 40 vezes maior, calculou o governador.O tucano elogiou o "significado simbólico" do ato assinado ontem. "O prédio foi vítima de um duplo ataque. O segundo foi mais abominável. O primeiro, do incêndio, fez parte da briga do dia do golpe. Não dá para justificar, mas dá para explicar o enfrentamento. Mas o segundo, em 1979, quando a UNE foi demolida, foi uma coisa puramente ranheta e raivosa, porque não havia motivo para se fazer isso."Antes do discurso, em entrevista, Serra disse considerar que o momento não é "adequado" para a discussão sobre tortura e anistia. "Em todo caso, tem o Judiciário, ele é que deve interpretar a lei", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.