Para Lula, dossiê é 'osso de galinha' vendido como dinossauro

O presidente Luiz Inácio Lula da Silvaafirmou nesta quarta-feira que o suposto dossiê com gastos doex-presidente Fernando Henrique Cardoso é um "osso de galinha"vendido como "ossada de dinossauro". "A impressão que eu tenho é que alguém encontrou um osso degalinha e tentou vender para a imprensa que tinha encontradouma ossada de dinossauro. Na hora em que for montado para sabero tamanho do dinossauro, vão perceber que era um franguinho",disse o presidente a jornalistas após encontro com o presidenteda Eslovênia. Lula fez uma defesa veemente da ministra-chefe da CasaCivil, Dilma Rousseff, envolvida com o episódio, já que osdados estavam sendo compilados pelo seu ministério. Para Lula,Dilma está sendo vítima de chantagem política. "Uma pessoa que tem a história da Dilma, que presta oserviço ao país que a Dilma presta, não pode ser vítima de umachantagem política, de uma pessoa que eu não sei quem é, queroubou peças de um banco de dados e vendeu a idéia de que eraum dossiê", disse Lula, acrescentando não ter "um milésimo desuspeita" sobre a ministra. Lula disse que o governo está tranquilo em relação aoepisódio e que fará uma investigação, mas possivelmente nuncasaiba quem organizou os dados como um dossiê. "Obviamente (estamos) tristes, porque quem recebeu naimprensa sabe quem foi. Isso é lamentável para o país",comentou Lula. O presidente mencionou notícias publicadas nos jornais emque senadores manifestaram ter conhecimento das informaçõescontidas no suposto dossiê, antes mesmo de seu vazamento. "Não quero acusar ninguém porque é muito ruim acusar semsaber... jornais já disseram que tiveram senadores queparticiparam disso. Eu ainda não li a matéria, mas eu acholamentável pelo momento que o Brasil está vivendo", afirmou. O presidente declarou que como seres políticos, ele e Dilmatêm que suportar essas coisas até que a verdade venha à tona. "Só tem algumas pessoas que sabem, jornalistas quereceberam o tal documento e o cidadão ou a cidadã que pegouesse documento", disse Lula, ressaltando que não será aprimeira vez nem a última em que "alguém tenta roubar umdocumento de um jeito para vendê-lo de outro". Lula evitou um debate sobre terceiro mandato, suscitado pordeclaração do vice-presidente José Alencar de que o povobrasileiro quer que ele continue no poder. "Eu sou o cidadão mais cansado de eleição", afirmou Lula,enumerando todos os pleitos de que tomou parte. "Chega, agora quero descansar. Cada um fala o que quer. Eunão vou entrar nesse debate porque tenho coisa mais séria parafazer", acrescentou. (Texto de Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.