Para Lula,delação de senador foi prejudicada

A aliados, ex-presidente elogia entrevista de Cardozo e repudia afirmações de Delcídio

Ricardo Galhardo e Ana Fernandes, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2016 | 07h15

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva elogiou a colaboradores a postura do ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo diante das revelações do depoimento do senador Delcídio Amaral (PT-MS). Lula foi apontado como um dos pivôs da queda do ex-ministro, que deixou a Pasta na segunda-feira. A avaliação no entorno de Lula é de que o vazamento tira a credibilidade do senador e dificulta a homologação da delação.

O ex-presidente passou o dia de ontem “de surpresa em surpresa”. A primeira delas foi a revelação sobre o conteúdo do depoimento. Nem Lula nem o PT sabiam que o senador havia falado. Segundo petistas, ele dava sinais de que poderia fazer a delação, mas muitos interpretavam como uma forma de pressão e ameaça.

A segunda surpresa foi a nota de Delcídio. O ex-presidente e seu entorno esperavam uma manifestação mais rápida e contundente. De acordo com um auxiliar de Lula, o texto nem sequer desmente a delação e se parece mais com uma peça de defesa jurídica.

O Instituto Lula passou toda a tarde esperando a manifestação do senador antes de emitir uma nota na qual nega que Lula tenha cometido qualquer ilegalidade e lamenta o vazamento seletivo. “A sociedade brasileira não pode mais ficar à mercê de um jogo de vazamentos ilegais, acusações sem provas e denúncias sem fundamento”, disse a entidade.

A terceira surpresa de Lula ontem foi com Cardozo. O ex-presidente acompanhou toda a entrevista coletiva do ex-ministro ao vivo, pela TV, apreensivo, ao lado de auxiliares. Segundo alguns deles, Lula elogiou a “firmeza” de Cardozo e disse que o ex-ministro será um bom advogado de defesa da presidente Dilma Rousseff à frente da Advocacia-Geral da União (AGU).

Além dos integrantes do instituto, Lula recebeu o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gilberto Carvalho, e o presidente nacional do PT, Rui Falcão, ontem à tarde, enquanto acompanhava os desdobramentos da delação de Delcídio. A avaliação no entorno do ex-presidente é de que o vazamento tira a credibilidade da delação e dificulta a homologação do acordo de colaboração junto ao Supremo Tribunal Federal.

‘Bobagem’. Carvalho classificou algumas revelações do senador como “bobagem”. “Essa bobagem do Delcídio que o Lula teria induzido a repassar dinheiro para o (Nestor) Cerveró beira o raio da loucura”, disse Gilberto Carvalho em entrevista ao Broadcast Político, serviço de notícia em tempo real da Agência Estado. “A palavra dele (Delcídio) é tão vazia, tão desacreditada. Ele vai ter que mostrar provas. É mais uma pólvora da Lava Jato que se esvai.”

Segundo o ex-ministro, o episódio tem peso negativo contra a Operação Lava Jato. “Vai ficando claro que é uma operação feita para perseguir o Lula e o PT. Era para combater corrupção, mas vira instrumento de combate político”, afirmou.

Rui Falcão também tentou desqualificar as declarações do senador. “Se é verdade que ele fez as declarações que estão mencionando por aí, não merece nenhuma credibilidade, porque nunca o presidente Lula fez qualquer tipo de tratativa como aquelas que são mencionadas e tampouco a presidente da República interferiu em nomeações”, acrescentou o dirigente petista. Falcão fez questão de lembrar que Delcídio está suspenso pelo PT desde que foi preso, em novembro.

Dirigentes petistas avaliaram que o vazamento deixou o senador em uma situação delicada, principalmente por ter feito acusações contra o Judiciário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.