Reprodução
Reprodução

Para Lula, 'nem banqueiros querem aumento da Selic'

Ex-presidente afirma que é preciso 'aumentar o investimento ou a economia não volta a crescer'

Ana Fernandes e Mário Braga, O Estado de S. Paulo

20 de janeiro de 2016 | 12h54

Nesta quarta-feira de decisão do Conselho de Política Monetária (Copom), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse a blogueiros que não há necessidade no País de aumentar a taxa básica de juros da economia. "Não há necessidade de aumentar a taxa Selic neste momento, nem os banqueiros querem. Temos é que aumentar o investimento ou a economia não volta a crescer", afirmou em entrevista realizada em seu instituto, na capital paulista.

Lula afirmou que, no passado, o governo se esforçou para que a TJLP - taxa para projetos de investimento - se mantivesse baixa mesmo quando a Selic entrava em rota de alta. O ex-presidente se atrapalhou para justificar a trajetória crescente dos juros básicos nos últimos tempos, mas se solidarizou com a presidente Dilma Rousseff. Ele afirmou que a economia poderia crescer com o atual patamar elevado dos juros, mas que a Selic deveria cair. "Mas, às vezes não tem outro jeito. Se um dia você chegar lá (na Presidência), vai ver como é difícil."

Ele voltou a pressionar para que a sucessora anuncie medidas de estímulo ao investimento, em especial em infraestrutura. Para Lula, Dilma e o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, têm que sentir o "momento do jogo" e anunciar novas medidas logo, em no máximo 20 dias, e que essas medidas sejam "críveis". "O Nelson Barbosa sabe que, se não anunciar algo crível, vai anunciar algo que não vai ter sucesso. Como ele é muito inteligente e Dilma sabe da situação em que estamos, acho que eles vão dar conta do recado e dizer 'o jogo é esse'. E convencer o nosso exército a acreditar nas coisas."

Lula disse que Dilma se comoveu com as manifestações de rua favoráveis a ela e à legitimidade de seu mandato. Para o ex-presidente, Dilma está tocada e tem um projeto na cabeça para ser levado adiante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.