Para líderes do PT, declaração de FHC foi 'destemperada'

O líder do governo na Câmara, Henrique Fontana (PT-RS), e o líder do PT na Casa, Cândido Vaccarezza (SP), reagiram às declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso de que o governo federal pratica "cupinização" da política nacional e que o Congresso nacional está "bambo" e "não representa mais nada". Para Vaccarezza, a declaração não está à altura do ex-presidente. "Foi uma fala inadequada, destemperada", disse o petista. "O fato de ter um grupo de cidadãos com conduta antiética não pode recair sobre todos, muito menos sobre a instituição. O parlamento brasileiro é forte e não pode ser atacado por um ex-presidente da República", afirmou. Ele reconhece que o Congresso passa por uma "fase difícil", mas destacou que foram aprovadas medidas de combate à crise como a MP que permite que a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil comprem instituições financeiras em dificuldade.

DENISE MADUEÑO E LUCIANA NUNES LEAL, Agencia Estado

23 de março de 2009 | 19h07

Fontana, por meio de sua assessoria, divulgou nota na qual afirma que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva está fazendo uma "republicanização" do Estado brasileiro, "afastando as traças que corroeram o patrimônio público e a economia brasileira com privatizações e desregulamentação do mercado", diz o líder. "O que vemos hoje, diante da crise mundial, é um Brasil de pé e não um país subjugado e dependente do cassino financeiro internacional", completou.

Em palestra proferida na manhã de hoje na Associação Comercial de São Paulo (ACSP), FHC acusou o governo federal de permitir que "cupins" corroam a política brasileira. Ele associou a ação do inseto à partidarização da máquina pública federal. "Estamos sofrendo uma ''cupinização'' do Estado brasileiro", disse FHC.

Tudo o que sabemos sobre:
FHCgoverno Lula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.