Para líder, veto ao orçamento foi 'quebra de acordo'

A decisão do Palácio do Planalto de vetar o Orçamento Impositivo - dispositivo que torna obrigatória a execução de emendas parlamentares em 2014 - da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) gerou reação na base aliada. O líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), classificou o anúncio do Executivo de quebra de acordo e avisou que o veto trará como consequência a não votação do Orçamento de 2014. "Se vetar, será um problema sério", afirmou.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

10 Dezembro 2013 | 16h09

Para Cunha, o veto contamina o ambiente político de forma desnecessária. "É um erro político. É estressar a base à toa", considerou. O peemedebista lembrou que houve um acordo em torno da inclusão do Orçamento Impositivo na LDO e que não seria "bom" deixar de votar o Orçamento do próximo ano diante do atual cenário econômico. "Não tem reação (do partido ao veto), tem ação: não votar o Orçamento", enfatizou.

Mais conteúdo sobre:
orçamentoeduardo cunha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.