Para líder tucano, PT parece "menino que saiu do reformatório"

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio, manifestou, em entrevista, preocupação com impactos na economia da crise do PT, que classificou como artificial. Segundo Virgílio, ontem seria um dia de clima favorável na economia, com a reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o PSDB, para discutir as reformas. O encontro, no entanto, foi prejudicado, na avaliação do senador, com a crise interna do PT. Em relação aos juros, Arthur Virgílio lembrou que havia uma expectativa de redução das taxas, mas que crises políticas acabam repercutindo na economia, mostrando a sua fragilidade. "O que mostra que o PT fica agindo como o menino que saiu do reformatório e sempre vai ter mostrar que está regenerado", afirmou. Para o senador, o PT ainda não conseguiu se acertar internamente para dar credibilidade ao mercado. O líder do PFL, senador José Agripino (RN) manifestou, em plenário, preocupação com a fragilidade da economia no País, depois que uma crise interna no PT mexeu com o mercado. Segundo Agripino, o governo tem sido "pródigo com o marketing", no entanto não tem apresentado dados concretos sobre os resultados do programa de combate a fome. Além disso, afirmou, as reformas não trazem mudanças conceituais. "O governo tem sido pródigo em vender as reformas, mas não vi nenhuma proposta no rumo da criação de empregos", ressaltou o senador, para quem a "fratura do PT foi exposta".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.