Roque de Sá/Agência Senado
Roque de Sá/Agência Senado

Para líder do PT no Senado, gravação de Jucá confirmaria o 'golpe' contra Dilma

Paulo Rocha (BA) comparou situação com grampo que gravou com conversa entre Dilma e Lula e impediu ex-presidente de assumir a Casa Civil: "Agora, como ficará Jucá?

Isabela Bonfim , O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2016 | 11h18

BRASÍLIA - O líder do PT no Senado, Paulo Rocha (PA), acredita que a gravação de conversa revelada entre o ministro do Planejamento, Romero Jucá, e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado seria a confirmação de um acordo para retirar a presidente afastada Dilma Rousseff do Planalto. Ele acusa o PSDB de participar da negociação e analisa a possibilidade de pedir a cassação de Jucá, que é senador licenciado.

"Isso só confirma aquilo que já falávamos há alguma tempo, confirma o golpe contra Dilma", disse o senador. Em reportagem desta segunda-feira, 23, o jornal Folha de S. Paulo revelou a conversa em que Jucá sugere a existência de um pacto para obstruir a operação Lava Jato e diz que é preciso trocar o governo para "estancar a sangria". No diálogo, Jucá e Machado sugerem que Temer poderia "construir um pacto nacional", inclusive com o Supremo.

O petista comparou a situação com o grampo da conversa entre Dilma e o ex-presidente Lula, em que a presidente foi acusada de adiantar a nomeação de Lula ao Ministério da Casa Civil como uma forma de protegê-lo da Operação Lava Jato. "Um diálogo em que nada foi dito claramente foi suficiente para conseguirem eliminar o Lula e impedir que ele assumisse um ministério porque estaria obstruindo a Justiça. E agora, como ficará com o Jucá?", indagou. 

PSDB. Na leitura do líder do PT, o áudio confirmaria que houve um "acórdão" para travar a Operação Lava Jato e que o PSDB faz parte do acordo. "A gravação revela todo o esquema do PSDB via Aécio", diz Paulo Rocha. O presidente do PSDB, Aécio Neves (MG), é citado seis vezes na conversa.

Segundo Jucá, "caiu a ficha" de que a Lava Jato também chegaria nos tucanos. Além de Aécio, ele menciona o agora ministro das relações exteriores, José Serra (PSDB-SP), e os senadores Aloysio Nunes (PSDb-SP) e Tasso Jereissati (PSDB-SP). 

Cassação. De acordo com o líder do PT, os senadores da oposição ainda consideram a possibilidade de pedir a cassação de Jucá, que é senador licenciado do PMDB. Mas Paulo Rocha comparou o caso dele com o do ex-senador Delcídio Amaral (sem partido-MS), que foi recentemente cassado por quebra de decoro parlamentar.

"Por muito menos do que isso, nós acabamos de cassar o senador Delcídio. Para o Senado ter coerência política, vamos ter que discutir isso agora", disse. Assim como Jucá, Delcídio foi pego em um áudio em que supostamente tentava obstruir as investigações da Operação Lava Jato. Ele tentava negociar um plano de fuga para o diretor internacional da Petrobrás, Nestor Cerveró.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.