Para líder do PFL, Palocci está na defensiva porque tem culpa

O líder do PFL no Senado, senador José Agripino (RN), rejeitou nesta sexta-feira à Agência Estado a reclamação do ministro do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, de que a oposição está abordando problemas pessoais dele. "Só quem fala disso é a Ideli Salvatti (líder do PT no Senado). Não me venha com esse tom pessoal", disse. "Quem se sente no inferno de Dante é porque está na defensiva e quem está na defensiva tem culpa".Segundo Agripino, Palocci decidiu comparecer ao almoço na Câmara Americana de Comércio (Amchan) para o Brasil, em São Paulo, para "dar uma demonstração de que não está trancafiado, quando está, e por isso, cercou-se de seguranças." Em resposta à declaração de Palocci de que não se pode transformar o debate político em uma crise sem fim, Agripino disse: "Então, não minta", referindo-se à afirmação do ministro de que nunca esteve na mansão. Sem abalosO senador reconhece que os problemas políticos e as acusações contra o ministro não abalam a economia, mas seu partido continua cobrando explicações dele sobre a afirmação de que nunca esteve na mansão de Brasília em que ex-assessores do ministro realizavam festas e, segundo denúncias, tratavam de negócios suspeitos. Agripino está em Buenos Aires. Por telefone, admitiu que a crise política não abala a economia, porque "os fundamentos econômicos estão sólidos e assim continuarão, independentemente de quem seja o titular do Ministério da Fazenda", mas disse que o PFL continuará cobrando do governo explicações sobre a abertura ilegal do sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa, conhecido como Nildo, que desmentiu a versão do ministro ao afirmar que Palocci freqüentava uma mansão no Lago Sul, em Brasília, onde a chamada república de Ribeirão fazia negócios e festas.

Agencia Estado,

24 de março de 2006 | 17h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.