Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Para líder de Serra,CPI dos cartões em Brasília está 'combinada'

Ao reagir à pressão do PT para aabertura de CPIs sobre o governo José Serra, o líder do governona Assembléia, o deputado estadual Barros Munhoz, disse quedesacredita deste tipo de comissão e afirmou que a CPI doscartões do governo federal não vai dar em nada porque está toda"combinada" entre governo e oposição. "O que poderia justificar uma apuração não vai ser apurado.O acordo é esse, vamos combinar, a gente sai na TV, a imprensatoda fala na gente, a gente dá entrevista uma barbaridade.Agora, o que pode dar problema para você eu não fiscalizo e oque pode dar problema para mim você não fiscaliza", disse odeputado tucano a jornalistas nesta quarta-feira. Denúncias de irregularidades com o uso dos cartõescorporativos do governo federal levaram à criação de uma CPImista (Câmara e Senado), que terá um tucano na presidência.Prevê investigar os gastos dos cartões nos governos de LuizInácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso. Minoria na Assembléia Legislativa, o PT patrocinou, juntocom sindicalistas e funcionários públicos, um ato em frente àAssembléia nesta tarde, que se estendeu ao plenário. "Nosso objetivo é mostrar para a sociedade paulista ainsatisfação da oposição com a operação abafa do governoSerra", disse o líder do PT, Simão Pedro. "Começamos a sentirque Serra está com esta pecha de que não deixa investigar, comoo (ex-governador Geraldo) Alckmin." O governador Serra fez pouco caso do ato. "É um trololópetista, estão apenas querendo distrair a atenção de Brasília",disse a jornalistas em um compromisso. O PT denunciou os cartões do governo Serra, apontando usoirregular do dinheiro público por servidores. Um total de 108milhões de reais foi gasto com esta forma da pagamento em 2007.O partido quer criar uma CPI para investigar o tema, mas nãotem as assinaturas necessárias e quer sensibilizar governistas.Conseguiu 23 e precisa de no mínimo 32. "Lá (em Brasília), eles conseguiram o que queriam", disse olíder da minoria na Assembléia Legislativa, Ênio Tatto (PT),sobre a CPI dos cartões do governo federal e o fato de apresidência da comissão ter sido entregue ao PSDB. O PT de São Paulo reclama ainda que não consegue sequer queo secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Machado Costa, compareçaà comissão de Finanças para dar explicações sobre os cartões. Segundo os petistas, Alckmin impediu a realização de 69CPIs, enquanto a administração Serra mereceria dez temas deinvestigação além dos cartões, como a Companhia deDesenvolvimento Habitacional Urbano (CDHU) e o metrô, entreoutros. (Reportagem de Carmen Munari; Edição de Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.