Para juiz do STF, vazamento da Boi Barrica não é erro do jornal

Para especialistas, convívio social com Sarney deveria impedir desembargador de dar sentença em favor do filho

Fausto Macedo, de O Estado de S.Paulo,

14 de agosto de 2009 | 20h32

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que jamais decretaria censura ao Estado ou a qualquer outro meio de comunicação. "Combata-se o vazamento, mas sem se chegar ao cerceio da liberdade de expressão e de veicular notícias."

 

O desembargador Dácio Vieira impôs censura ao Estado. Proibiu o jornal de publicar reportagens sobre Fernando, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). O Estado ingressou com exceção de suspeição de Vieira, que não a reconheceu. "O erro (pelo vazamento) é antecedente, não é do jornal em si", avalia Marco Aurélio. "O erro está lá na origem, quando houve a quebra do sigilo. Em última análise, dados sigilosos que caem no domínio da imprensa deixam de ser sigilosos."

 

O ministro considera que quando a informação chega a um órgão de imprensa "o sigilo já se faz afastado e o veículo não está impedido de divulgar aquele tema". "Eu não concebo que a censura possa decorrer do Judiciário. Pode haver a responsabilização de quem publicou, a nível civil e penal. A censura é inconcebível nessa quadra de democracia que imagino plena."

 

Veja Também

linkJuiz próximo a Sarney se diz competente para julgar censura

linkJuiz que determinou censura é próximo de Sarney

link'Estado' pede que juiz se declare suspeito no caso

link'Estado' entra com novo recurso para derrubar censura

linkDesembargador nega liminar contra censura

link'Censura é um chamado para a cidadania', diz CPJ

 

Ao falar sobre o tema suspeição, o ministro advertiu. "Não se agradece com a toga. A toga não é um meio para contraprestação, no ofício judicante não há troco. A honra da indicação tem que ser alvo de reconhecimento antes de o juiz assumir o cargo, o agradecimento deve se dar antes da posse."

 

Ele assevera que "o julgamento é uma missão sublime". "O juiz tem que atuar com absoluta equidistância. O tratamento igualitário é o predicado maior daquele que personifica o Estado-juiz. Lidamos no processo com algo que não é nosso."

 

O ministro considera que o fato de o desembargador Dácio Vieira se deixar fotografar ao lado de Sarney pode não caracterizar suspeição. "Para mim não caracteriza. Não presumo que ali estaria revelada uma ligação íntima. A leitura do leigo é terrível. Quantas e quantas vezes sou fotografado com pessoas diversas. Não posso, como homem público, recusar o pedido de uma foto. Isso não gera a certeza de que o magistrado não teria equidistância para atuar em uma causa."

 

Marco Aurélio destaca que já se havia manifestado sobre suspeição quando da nomeação dos ministros Joaquim Barbosa, Cézar Peluso e Carlos Ayres Brito - todos chegaram à corte máxima do Judiciário por escolha de Lula. Na ocasião, ele se recorda, surgiram rumores de que o STF não mais teria independência com relação a demandas de interesse do governo. "Em plenário eu disse que a autonomia do STF não corria riscos porque não se agradece indicação com a toga."

 

O ministro critica a cláusula do Código de Processo Civil que prevê suspeição. "A cláusula é polivalente, genérica. O magistrado tem que atuar no processo com transparência. Como está no código, o juiz pode fugir de qualquer processo pela complexidade do conflito sem fundamentação. Jamais jurei suspeição. O homem público não deve ter nada a esconder, como também o juiz não deve."

 

Ele afirmou que "julga e decide com sua ciência e consciência". "Meus colegas agem assim. Quando indicados os três ministros, disseram que eles julgariam vinculados ao presidente. Eu disse: agradecimento não é com a toga, se agradece antes. Espera-se que o julgador seja homem praticamente ungido. O tratamento igualitário às partes é obrigação."

 

Marco Aurélio disse que "não pode imaginar" que o desembargador "tenha decidido de forma tendenciosa". "Não posso presumir o excepcional, o extravagante." Para ele, Vieira deu ênfase maior ao sigilo. "No caso da quebra de sigilo temos que averiguar como ocorreu a violação e, evidentemente, punir aquele que tenha inobservado a lei. Agora, chegando notícia a um veículo de comunicação, seja qual for a notícia, esse veículo atua no âmbito da liberdade e dever de informar."

 

Amizade

 

O promotor José Carlos Cosenzo, presidente da Associação Nacional dos Ministérios Públicos, alerta que "a suspeição fica clara a partir do momento em que você convive com uma das partes, com ela tenha amizade e dela receba favorecimento, é transcendente".

 

Cosenzo avalia que o desembargador teria que se dar por suspeito tão logo a ação de Fernando chegou às suas mãos. "Melhor que ele declinasse, antes que o tribunal reconheça a suspeição. Seria melhor para a Justiça, melhor para ele. O simples fato de ele ter esse relacionamento com Sarney já basta para caracterizar suspeição. Há ainda informações de que Sarney o teria auxiliado para chegar a desembargador pela via do quinto constitucional. Isso é manifesta suspeição."

 

O jurista Luiz Flávio Gomes disse que a suspeição se revela em várias hipóteses. "Basta a foto e todos esses elementos somados que revelam amizade com a parte. Não há dúvida. O desembargador deveria ter se dado por suspeito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.