Para jornais, tomada da Rocinha foi 'espetacular', 'determinante' e 'ambiciosa'

Imprensa estrangeira destaca importância da operação Choque de Paz na segurança do Rio para eventos com a Copa e Olimpíadas.

BBC Brasil, BBC

14 de novembro de 2011 | 07h42

Reportagens publicadas nesta segunda-feira na imprensa internacional avaliam que a operação de ocupação da favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, foi "espetacular", "determinante" e "ambiciosa".

Os relatos publicados nos jornais europeus e americanos destacam ainda que a retomada de territórios então controlados pelo tráfico de drogas será importante para garantir a segurança da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016.

"Foi a operação mais ambiciosa até agora, em um esforço de aumentar a segurança antes que o Rio receba os jogos da Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016", destacou o americano "Washington Post".

"O governo está contando com esses eventos para sinalizar a ascensão do Brasil como potência econômica, política e cultural."

Ainda nos EUA, o "Wall Street Journal" ressaltou que a operação foi "cuidadosamente orquestrada".

Para o jornal, ainda que o Rio permaneça sendo "uma justaposição caótica de bairros, ilustrando a divisão sócio-econômica do Brasil", a "pacificação" das favelas "aumenta a esperança de que a cidade, após décadas de desespero, consiga manter o crime sob controle" para os eventos.

Já o "New York Times" destaca que a ocupação da Rocinha e do Vidigal foi um "esforço determinante" e uma "fase crucial no combate aos traficantes de droga que controlam favelas da cidade".

O diário lembra que a operação realizada nas primeiras horas foi diferente de anteriores que viram uma verdadeira batalha campal entre forças do tráfico e do Estado, deixando dezenas de mortos - como a ocupação do Morro do Alemão.

"Críticos dizem que a operação Choque de Paz pareceu um pouco exagerada, dada a tranquilidade da Rocinha em comparação com a atmosfera de outras favelas do Rio", escreve o jornal.

"Ainda assim, a operação permitiu às autoridades destacar os avanços na segurança nos últimos anos, que tornaram partes da cidade consideravelmente mais seguras."

'Cena de guerra'

Na Europa, o espanhol "El País" descreveu a operação como "espetacular". A ocupação "contou com uma cenografia própria de um Estado de guerra", escreveu o correspondente do jornal.

"O grosso da operação se produziu de noite e com o máximo sigilo, quebrado depois pelo estrondo dos voos rasantes dos helicópteros e o avanço dos tanques."

O britânico "Independent" descreveu a tomada da Rocinha como importante, dada sua "posição estratégica" para controlar o tráfico na zona sul do Rio.

Já o "The Guardian" descreveu com detalhes a suposta residência do traficante Sandro Luiz de Paula Amorim, o Peixe, apontado como um dos chefes do tráfico na facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA).

A visita dos jornalistas brasileiros e estrangeiros à residência de Peixe foi organizada pela própria polícia, em um esforço de marketing que conseguiu espaço na imprensa desta segunda-feira.

Muitos dos jornais também lembraram que a chegada da polícia foi recebida de maneira distinta pelos moradores: uns estavam otimistas, outros, pessimistas, e uma parte simplesmente não sabia o que pensar.

Como escreveu o "El País", "quase ninguém espera grandes mudanças, e muitos comentam que sob o reinado do traficante Nem não viviam tão mal".

Para o jornal, "parece que ainda será necessário esperar um pouco para que o plausível processo da reconstrução social empreendido pelo governador do Rio, Sérgio Cabral, deite raízes na favela". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.