Para Jaques Wagner, Levy não será 'judas' nem 'cristo' em Congresso do PT

Ministro da Defesa minimizou polêmica sobre as críticas do partido ao titular da Fazenda

Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

10 de junho de 2015 | 18h19

Brasília - O ministro da Defesa, Jaques Wagner, não acredita que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, será "crucificado" pelo Congresso Nacional do PT, que começará nesta quinta-feira, 11, em Salvador (BA). "Ele não vai ser nem Judas, nem Cristo", disse o ministro, repetindo a tese da presidente Dilma Rousseff que, ao ser indagada pelo Estado em entrevista exclusiva no Palácio da Alvorada no último domingo, 7, afirmou que Levy não podia ser responsabilizado pelas medidas do ajuste fiscal porque elas representavam uma decisão presidencial.

"Quem tomou a decisão da política econômica chama-se Dilma Rousseff, que convocou seu time, inclusive ele (Levy), para cumprir a missão do que ela achava que era preciso ser feito. Levy não está fazendo nada da cabeça dele. Ele é um bom operador, qualificado, com credencial, com credibilidade, mas tudo é decido por ela, com a equipe econômica, mas por ela", ressaltou Jaques Wagner.

O ministro da Defesa ressalvou, no entanto, que haverá debate no congresso da sigla porque "o PT não é um partido de uma nota só, não é monocórdico". Para ele, "ninguém pode querer que o partido seja ordem unida, soldadinho de chumbo" porque, no PT, "todo mundo tem sua opinião mas, o importante é que, dentro desta diversidade de opiniões, tem alguém que comanda, que é a presidente da República".

Ele lembrou, no entanto, que "como as decisões do partido não são tomadas entre quatro paredes, é claro que tem torcida do lado de fora que está doido para o circo pegar fogo". Mas assegurou, no entanto, que "não tenham dúvida que, de ampla maioria, a posição será de fortalecimento do governo".

As declarações do ministro Jaques Wagner foram dadas em duas ocasiões. A primeira, na inauguração da maquete do caça sueco Gripen NG, comprado pelo Brasil. A segunda, após a cerimônia de condecoração de 132 autoridades, no Clube da Aeronáutica, em comemoração aos 16 anos de criação do Ministério da Defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.