JF Diório/AE - 12.03.2012
JF Diório/AE - 12.03.2012

Para Haddad, crise de Dilma com a base não afeta campanha eleitoral

Pré-candidato petista à Prefeitura de São Paulo minimiza efeitos da tensão na composição de alianças para as eleições

Daiene Cardoso, da Agência Estado

14 de março de 2012 | 14h07

O pré-candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, descartou a possibilidade de que a crise que atinge as relações do governo Dilma Rousseff com a base aliada no Congresso Nacional possa comprometer a política de alianças de sua campanha nas eleições municipais de outubro deste ano. "Não há esse contágio, o Brasil é muito grande, são 5.560 municípios que vão eleger seus prefeitos, você imagina se cada assunto de Brasília for repercutir em todos os municípios", argumentou, ao participar do seminário promovido pela bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo, denominado "O modo petista de governar".

 

Haddad disse que não está preocupado com o andamento das negociações com os partidos aliados para o fechamento de alianças na Capital, reiterando que "ainda tem muito tempo para cuidar disso". O petista também rechaçou que o conflito entre PT e PMDB em Brasília possa prejudicar a sua campanha. "Às vezes falam: O PT e PMDB se estranharam em Brasília. Isso repercutiu na campanha do Eduardo Paes (atual prefeito do Rio de Janeiro) para a reeleição com o apoio do PT?", indagou, complementando: "Absolutamente (não)." Segundo o ex-ministro da Educação, os problemas do governo federal e os conflitos com a sua base estão fora do cotidiano dos pré-candidatos. "Esse tipo de procedimento está mais na cabeça das pessoas do que no cotidiano dos pré-candidatos. Não existe essa interferência", reafirmou.

 

Fim da taxa. Haddad voltou a prometer que, se eleito, pretende acabar com a taxa de inspeção veicular, adotada na gestão do atual prefeito da Capital, Gilberto Kassab (PSD), conforme havia dito horas antes em entrevista à rádio "Bandeirantes". "Ela acaba em 2013", garantiu o pré-candidato. De acordo com ele, o que a Prefeitura recebe hoje do governo do Estado, com a cobrança do IPVA, é suficiente para fazer a inspeção e a fiscalização dos carros na cidade. "Com o orçamento atual da Prefeitura, penso que essa taxa é dispensável.O que devemos fazer é inspeção e, sobretudo, a fiscalização para atingir as metas de redução."

 

O pré-candidato afirmou que, no passado, a arrecadação com o IPVA girava em torno de R$ 800 milhões por ano e que atualmente chega a R$ 1,8 bilhão. "O IPVA de São Paulo é um dos mais caros do Brasil e tendo uma arrecadação que beira os R$ 2 bilhões, não precisaria (cobrar pela inspeção), ainda mais pagando um serviço caro", afirmou. Ele considera o valor cobrado desproporcional ao serviço prestado. Caso a justiça autorize a Prefeitura a refazer a licitação para a inspeção veicular, Haddad disse que não pretende mais contar com esse serviço da Controlar.

 

Tudo o que sabemos sobre:
haddadcrise base aliadaeleicoes 2012

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.