Para governo, dia de protesto teve 15 invasões

Pelas contas do governo, apenas 15 ocupações de terra ocorreram durante o Dia Nacional do Trabalhador Rural, comemorado ontem. O dado diverge das 77 invasões declaradas pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag). O ministro interino do Desenvolvimento Agrário, José Abrão, anunciou que as áreas ocupadas e trabalhadores rurais que possivelmente tenham sido identificados nas manifestações de ontem serão excluídos do programa de reforma agrária. A divergência de estimativa se deu porque o governo não considerou os acampamentos montados em frente de áreas desejadas pelos trabalhadores. Segundo Abrão, esses casos não podem ser computados como invasões. "São ocupações sim", reagiu o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Pernambuco (Fetape), Antônio Marques. Ele explicou que os manifestantes não entraram na maioria das fazendas para o governo não suspender a desapropriação da terra, conforme prevê medida provisória. As fazendas ocupadas não eram de interesse dos trabalhadores, mas próximas das áreas desejadas, admite Marques. A estratégia da Contag e do MST foi identificada pelo governo, afirmou o ministro interino. Um caso típico foi o da invasão da fazenda Marimbondo, que segundo o governo foi a única a ocorrer em Pernambuco, contra a previsão de 53 ações, anunciada pela Contag. Os trabalhadores tinham interesse na fazenda em frente da área invadida. Mas Abrão avisa que a fazenda pretendida será desapropriada e suas terras distribuídas a quem se inscreveu pelos Correios no programa de reforma agrária, não aos manifestantes. O secretário de política agrícola da Contag, Airton Faleiro, reagiu com ironia à convocação de uma coletiva no ministério para desmentir os números de invasões de terras. "É sinal de que estamos incomodando o governo". Abrão aproveitou a coletiva para divulgar os últimos dados que mostram a redução de invasões e de violência no campo. Segundo o governo, no ano passado o Dia do Trabalhador Rural contou com 15.000 manifestantes e, neste ano, a participação caiu para 8.000. Nesta data, em 2000, morreram dois trabalhadores, desta vez houve registro apenas de dois feridos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.