Suamy Beydoun|Futura Press
Suamy Beydoun|Futura Press

Gilmar Mendes critica ação da PF no Senado; 'não é o melhor método'

Ministro do STF afirmou que presença de policiais federais na Casa deve ser examinada com 'cautela'; Operação Métis foi suspensa nestatemporariamente nesta quinta por decisão de Teori Zavascki

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2016 | 13h59

BRASÍLIA - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes criticou nesta quinta-feira, 27, a atuação de agentes da Polícia Federal que cumpriram diligências no Senado na Operação Métis e prenderam quatro policiais legislativos, acusados de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato na sexta-feira, 21. Para o ministro, o cenário político brasileiro está sendo marcado por "muita tensão" e o caso precisa ser examinado com "cautela".

"É, de fato, um caso politicamente delicado, porque não é um caso de escola. Colocar polícia no Congresso não é o melhor método de lidar com isso. A não ser que seja imprescindível, nós devemos evitar", disse Gilmar a jornalistas, depois de participar do XIX Congresso Internacional de Direito Constitucional, em Brasília.

"A questão de fundo é uma questão realmente delicada: a presença de polícia no Congresso Nacional, a busca e apreensão realizada em sede do Congresso, isso precisa ser examinado com cautela", prosseguiu.

Nesta quinta-feira, o ministro Teori Zavascki, do STF, concedeu uma liminar suspendendo os efeitos da Operação Métis. Na decisão, Teori remeteu o processo da 10ª Vara Federal do Distrito Federal para o Supremo. A defesa do policial Antonio Tavares, um dos presos na operação, havia entrado com uma reclamação na Corte pedindo a anulação do inquérito.

A ação da PF, autorizada pelo juiz de primeira instância Vallisney de Souza Oliveira, culminou na prisão temporária de quatro policiais legislativos, que já foram liberados, acusados de atrapalhar investigações da Lava Jato a mando de parlamentares. Além disso, a PF também realizou buscas na sede da Polícia Legislativa do Senado. Com a decisão de Teori, todo o material apreendido deve ser encaminhado ao Supremo.

Recurso. Irritado com a operação, na segunda-feira, 24, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), classificouVallisney de "juizeco".

"Acho que atuou bem o Senado quando decidiu judicializar a questão, é a forma mais adequada de discutir com o juiz é no processo, é fazer recurso. Então me parece que a partir daí o próprio STF deve se pronunciar e dar uma diretriz", comentou Gilmar.

Para o ministro, o País vive um ambiente de "muita tensão". "Você percebe isso, em função de todos esses desdobramentos. Acho que as pessoas que, em geral, têm um temperamento muito afável acabam por às vezes usar palavras mais duras e nós temos de minimizar, não incrementar essa crise", disse. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.