Para gerar emprego, economia precisa crescer, alerta Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que para resolver o problema do desemprego no País, a economia brasileira precisa voltar a crescer. "O nosso grande desafio é tentar resolver de uma vez por todas a questão do desemprego. Para isso, a economia brasileira precisa crescer a números muito mais auspiciosos do que estamos imaginando", afirmou. Lula disse que o desemprego está mais concentrado nas regiões metropolitanas do País. De acordo com ele, quem viaja para o interior de diferentes Estados percebe que o problema do emprego está mais concentrado nas regiões próximas das capitais. Isso porque, segundo ele, algumas empresas têm se instalado em cidades do interior em detrimento das capitais. 35% dos recursos do BNDES irão para micro e pequena empresaO presidente Lula disse que 35% dos recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) serão destinados às micro e pequenas empresas do País. "Vamos ver se a gente consegue colocar em circulação os recursos necessários para gerar os empregos que queremos, já que as pequenas e as micro-empresas são grandes geradoras de empregos neste País", afirmou ao participar da entrega de ambulâncias para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), na fábrica da Daimler-Chrysler, em São Bernardo do Campo (SP). Ainda no conjunto de medidas para fortalecimento da economia, o presidente da República assegurou novos incentivos para o sistema de microcrédito e prometeu anunciar, nesta semana, a extensão a aposentados e pensionistas dos empréstimos em consignação em folha de pagamento, com juros menores. Lula reconheceu que a lei do Primeiro Emprego foi feita "com o olhar de sindicalistas, e não de empresários" e que nesta semana o governo vai alterar a legislação, encaminhado-a ao Congresso. Após apresentar um conjunto de ações aos trabalhadores, o presidente Lula disse estar "mais otimista hoje" do que estava há um ano, quando visitou a fábrica de caminhões Mercedes-Benz, também em São Bernardo do campo. "Na outra vez que viemos aqui, tínhamos pouco conhecimento de como funcionavam as entranhas da máquina pública e as dificuldades. Hoje, já conhecemos o labrinto da máquina pública e as potencialidades do Brasil?, afirmou. O presidente comentou ainda que fez várias viagens para diferentes países no início do seu mandato pois era preciso "recuperar a credibilidade e o respeito". Na avaliação de Lula, o Brasil talvez nunca tenha sido tão respeitado no mundo como é hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.