Para Genoino, caso do jornalista teve solução política correta

O presidente do PT, José Genoino, disse que a decisão do governo de cancelar a suspensão do visto do jornalista do New York Times Larry Rohter, após recebimento de seu pedido de desculpas, é uma solução política correta. Com esta decisão, que deve ser anunciada ainda hoje, o governo dá o caso por encerrado e está "feliz e contente com o desfecho". "A questão foi resolvida na política. Foi isso o que o presidente Lula reivindicou desde o começo", afirmou Genoino, ponderando que a decisão do governo pôs um fim a um impasse. Genoino evitou comentar se o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, foi o vetor da solução para o caso. Mas admitiu que como "bom advogado que ele é", deve ter tido um papel fundamental para o entendimento. O presidente do PT negou que Bastos tenha estado demissionário ou tenha colocado esta possibilidade em questão, diante da decisão do presidente Lula de suspender o visto do jornalista norte-americano."Não queremos confronto. Acho que o Brasil ganha com essa solução. Foi uma atitude de grandeza", completou. Segundo Genoino, "se o presidente tivesse ficado calado e a matéria circulasse mundo afora, com essa política externa altiva e ativa, o prejuízo (para o Brasil) seria maior". O presidente do PT afirmou que o episódio não desestabilizou o governo. "O presidente Lula agiu como deveria porque este País exige respeito. Este País quer uma relação respeitosa no cenário internacional". Genoino fez essa declaração ao deixar uma reunião em que deputados da bancada do PT discutem com o ministro da Casa Civil, José Dirceu, (o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, já deixou a reunião), a questão do salário mínimo. De acordo com Genoino, alguns deputados apresentaram reivindicações de mudança, mas os ministros colocaram claramente os limites para a alteração do valor do mínimo. Genoino disse que a reunião de hoje não é conclusiva para a bancada do PT e deve ter continuidade nos próximos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.