Para Garibaldi, não há razões para instalar CPI da Varig

O presidente do Congresso, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), disse hoje que não vê razões para a instalação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para investigar a denúncia de tráfico de influência na venda da VarigLog e da Varig ao fundo Matlin Patterson, dos Estados Unidos, e três sócios brasileiros, há cerca de dois anos. "Estamos saindo de uma CPI absolutamente frustrada", disse, referindo-se à CPI Mista dos Cartões Corporativos. "Já se cogita a criação de outra?", questionou, segundo a Agência Senado. "É preciso ter mais cautela."Garibaldi afirmou, no entanto, que não é contrário à instituição das CPIs e que as considera um instrumento indispensável de fiscalização. Mas afirmou temer a banalização da investigação parlamentar, uma vez que "o Senado não tem logrado êxito nesse tipo de iniciativa". "Peço que as pessoas que a requeiram tenham cautela para não desgastarem a instituição parlamentar, que é a mais valiosa instituição de uma democracia", destacou.Além de pedir cuidado, ele ressaltou a necessidade de observar-se outros critérios para a instalação de uma CPI. "Não conheço o mérito da acusação. A CPI tem de ser criada em cima de fato concreto e determinado e amparado em provas robustas. Agora, basta uma notícia de jornal e já se vai pensar na instalação de uma CPI?", questionou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.