Para FHC, trégua negociada com PCC é preocupante

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso classifica como muito preocupante uma trégua nos ataques criminosos ao Estado de São Paulo, obtida após conversa entre o líder do PCC, Marcos Camacho, o Marcola, e representantes do governo estadual. "Eu só entendo se for taticamente, mas acho que essa não pode ser uma política", afirmou à Agencia Estado durante evento em Nova York. "Se isso é verdade, é muito preocupante. Pode ser tático, aí eu entendo", reiterou, sobre a mensagem da organização ordenando o fim dos ataques. "Não dá para deixar que setores criminosos se transformem em força reconhecida", disse. Segundo Fernando Henrique, a política tem que ser de desmontar a rede criminosa. "É uma grande rede, e maior do que se imaginava", disse.A ordem para o fim dos ataques começou a ser propagada na manhã desta segunda-feira, por telefone celular, menos de 12 horas depois do encontro entre Marcola e os representantes do governo nas dependências do Centro de Readaptação Penitenciária (CRP) de Presidente Bernardes, onde o líder do PCC está detido desde o fim da tarde de sábado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.