Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Para FHC, "manter o que se tem" é sinal de desenvolvimento

O presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou hoje, durante inauguração do Centro de Oncologia do Hospital Sírio Libanês, que "um sinal de um país desenvolvido é não apenas quando se consegue fazer coisas novas, mas quando se consegue manter o que se tem". A declaração, segundo ele, era uma referência ao hospital, que ao longo dos anos evoluiu, mas conseguiu manter suas estruturas iniciais.Acompanhado do governador Geraldo Alckmin e dos ministros da Saúde, Barjas Negri, e da Educação, Paulo Renato Souza, o presidente lembrou alguns feitos realizados por ele e por sua equipe nos últimos oito anos. FHC ressaltou que sua equipe "mudou o modo como se encara a saúde pelo sistema público". Anunciou que o programa Bolsa-Alimentação acaba de atingir 3.032 municípios e 1,538 milhão de pessoas. Fernando Henrique afirmou que o seu governo investe mais na área social do que arrecada com imposto de renda. "O imposto de renda que o governo recebe não alcança os recursos que o governo distribui", afirmou, acrescentando que R$ 30 bilhões são distribuídos pelo País. "Então, quando escuto falar ´não sei o que fazem com o meu imposto´ aí está o imposto arrecadado que muda as condições sociais de vida dos mais carentes", disse.Alckmin, assim como Fernando Henrique, em um breve discurso também deu ênfase aos avanços na área social. "O Brasil avançou na estabilidade, na moeda, na modernização do Estado. Mas avançou principalmente na área de proteção social."Fernando Henrique deixou o Hospital Sírio Libanês e seguiu, segundo sua assessoria de imprensa, para sua residência em Higienópolis, na capital paulista. À noite, ele tem novo compromisso em São Paulo, onde participará da cerimônia de comemoração dos 50 anos da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.