Andrés Cristaldo/EFE
Andrés Cristaldo/EFE

Para FHC, impeachment se dá por 'ingovernabilidade'

Ex-presidente coloca 'dificuldade para governar' como um dos fatores para se afastar um mandatário, mas diz que Dilma ainda pode reagir à crise atual

DÉBORA BERGAMASCO, O Estado de S. Paulo

18 de março de 2015 | 12h29

Brasília - Em meio a manifestações populares e pedidos por parte da população para que a presidente Dilma Rousseff saia do poder, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) declarou em entrevista exclusiva ao Estado que o processo de impeachment se dá pela ingovernabilidade e não necessariamente pelo cometimento de um crime. No caso atual, a insatisfação popular com o atual governo somada a novas denúncias na Lava Jato podem levar à queda da chefe do Executivo. Mas acredita que ela ainda "não está sem condições de governar".

"Na democracia, não é só porque a maioria ficou contra que isso seria razão suficiente para você tirar o presidente. O problema é quando se cria uma situação de ingovernabilidade", opinou FHC. "Hoje ela (Dilma) tem legalidade para governar, mas ainda não tem como prever de antemão como será o processo político, o que vai aparecer na Operação Lava Jato. Não digo que envolva ela diretamente, mas pode envolver mais gente do PT e de outros partidos", opinou ele, que é um dos principais líderes da oposição. "A somatória desses fatores é que cria uma situação de dificuldade de governar. O governo da presidente Dilma ainda não está sem condições de governar e ela ainda pode reagir."

Citou como exemplo o processo que tirou o ex-presidente Fernando Collor de Melo da Presidência da República em 1992. "O impeachment não é o julgamento de um crime. Veja o presidente Collor, ele foi absolvido de um crime no Supremo Tribunal por falta de provas, mas ninguém discutiu se o impeachment valeu ou não. Foi um julgamento político. Mas é claro que tem que ter uma base, se não é golpe."

Para o tucano, a situação de caos político na qual o governo está imerso hoje pode se arrastar até o fim do mandato. "É possível não haver nem saída (para a crise política) nem desabamento. Nós já vimos vários governos que se arrastaram, o que é ruim para o governo e para o País. O ponto é que vai ser ainda por muito tempo. Mas pode ser que aconteça de fazer uma medida aqui, fazer outra ali, o povo não acredita muito, mas vai levando. Só duvido que nesse clima você restaure a confiança no investidor."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.