Para FHC, "esperança" é o legado de JK

O presidente Fernando Henrique Cardoso destacou nesta segunda-feira o "sentimento da esperança" como um dos principais legados do presidente Juscelino Kubitschek (1902-1976), cujo centenário de nascimento começa a ser comemorado nesta semana."Penso que essa expressão - sentimento da esperança - sintetiza bem o que Juscelino significou para o Brasil", diz nota assinada por Fernando Henrique.A Semana JK teve início nesta segunda-feira, no Rio, com a abertura de exposição fotográfica, e vai até sábado, com eventos em Brasília e Minas.A programação oficial preparada pelo Ministério da Cultura previa a participação de FHC em sessão solene marcada para esta terça, no Memorial JK, em Brasília. Mas caberá ao ministro da Cultura, Francisco Weffort, representar o presidente.A nota classifica Juscelino, fundador e responsável pela construção de Brasília, como "exemplo e referência maior na política brasileira". "É oportuno, portanto, que o país se inspire em Juscelino para dar um novo salto em seu desenvolvimento", destaca o texto.JK governou o Brasil de 1956 a 1961 e morreu em 22 de agosto de 1976, num suspeito acidente de carro. Fernando Henrique enfatizou a importância do governo de Juscelino por dar "nova envergadura" ao projeto desenvolvimentista iniciado pelo presidente Getúlio Vargas, morto em 1954."Mas nos anos que se seguiram ao governo JK, o Brasil ingressou em longo período autoritário, do qual só veio a emergir na década de 80 com o retorno à democracia", diz o texto.Segundo Fernando Henrique, a comemoração dos 100 anos de nascimento de Juscelino ocorrem num momento de "usufruto das liberdades democráticas e na retomada de um crescimento sustentado".A homenagem a JK inclui a instalação de painéis fotográficos na Esplanada dos Ministérios e cerimônias em Diamantina (MG), cidade onde nasceu, e Belo Horizonte, onde foi prefeito e governador do Estado, além da mostra fotográfica e do lançamento do livro Brasília Kubitschek de Oliveira, de Ronaldo Costa Couto, no Rio.As festividades terão continuidade até setembro de 2002, sob o título Cem Anos em Um.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.