REUTERS/Dylan Martinez
REUTERS/Dylan Martinez
Imagem João Gabriel de Lima
Colunista
João Gabriel de Lima
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Para evitar a destruição do futuro

Movimentos como o Sunrise não se limitam a protestar; pautam discussões e influenciam leis

João Gabriel de Lima, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2022 | 03h00

Eles se hospedam em Airbnbs e se movem nos corredores do Capitólio. Inspiram-se no passado – o movimento dos direitos civis – e usam ferramentas do presente: bancos de dados, aplicativos e redes sociais. Em reportagem recente, a revista The New Yorker saudou o movimento Sunrise, formado por jovens ativistas, como o novo padrão de ambientalismo na era digital.

Nada pode ser mais danoso à democracia que o sentimento de que todos os políticos são mentirosos e eleições não servem para nada, conforme observou o jornalista Eugênio Bucci em artigo publicado nesta semana no Estadão. Movimentos como o Sunrise valorizam a prática democrática. Eles não se limitam a protestar e angariar adeptos. Buscam aliados entre os representantes eleitos, pautam discussões no Congresso e influenciam leis.

No mundo inteiro, os jovens estão na vanguarda da luta ambiental. Eles sabem que um presente com enchentes e secas é prenúncio de um futuro com escassez de alimentos e desastres naturais – futuro que não querem para suas vidas. Foram os jovens alemães que levaram o Partido Verde a uma votação expressiva nas últimas eleições. Na COP26, em Glasgow, os jovens brasileiros foram estrelas do pavilhão da sociedade civil em defesa da Amazônia.

“Cabe à sociedade civil fiscalizar os poderes para que as leis promovam o bem de muitos, e não o interesse de poucos”, diz Mariana Mota, coordenadora de políticas públicas do Greenpeace Brasil. Ela é a entrevistada no minipodcast da semana. Entidades como o Greenpeace observam de perto a “agenda verde” que estará na pauta do Supremo Tribunal Federal nesta quarta-feira, dia 30. 

Na ocasião, serão julgadas sete ações de autoria de vários partidos políticos. A sociedade civil – academia e movimentos, incluindo o Greenpeace – colaborou com estudos e dados. Um tema perpassa as ações: a retomada da fiscalização ambiental, reduzida a níveis mínimos no governo Bolsonaro. Nesta semana, vários ex-ministros do Meio Ambiente – de Sarney Filho a Carlos Minc – estiveram com Luiz Fux, presidente do STF, e Cármen Lúcia, relatora de seis das sete ações.

Toda atenção é pouca, pois se trata de um jogo em que todos perdem. Com os recordes de desmatamento, a imagem do Brasil se deteriora, os lobbies europeus ganham um argumento contra o agronegócio nacional e nossa produção de alimentos diminui com as secas e demais danos causados pela mudança climática. 

Ninguém, no entanto, perde mais que os jovens, que sofrem com a destruição de seu próprio futuro. No Sunrise ou nos movimentos brasileiros, faz sentido que eles liderem o combate à maior ameaça de nossa época.

Para saber mais

A “agenda verde” do Supremo Tribunal Federal

Artigo de Eugênio Bucci sobre o ceticismo com a política

Editorial do Estadão contra a exploração em terras indígenas

Reportagem da revista The New Yorker sobre o Movimento Sunrise

Estudo do V-Dem sobre o combate à mudança climática em países democráticos

Minipodcast com Mariana Mota: 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.