André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Para entender: etapa final de caso de Cunha é voto no plenário

Nesta quinta-feira, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) rejeitou todos os argumentos do peemedebista para devolver ao Conselho de Ética o processo por quebra de decoro parlamentar

O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2016 | 00h00

O processo de cassação do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) será conduzido a partir de agora pelo antigo aliado e novo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Nesta quinta-feira, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) rejeitou todos os argumentos do peemedebista para devolver ao Conselho de Ética o processo por quebra de decoro parlamentar. A partir de agosto, quando os parlamentares voltam do recesso, Maia poderá colocar em votação a perda do mandato do deputado já na primeira semana. Entenda todas as fases do processo:

1. Conselho de Ética

O Conselho de Ética da Câmara instaurou processo de pedido de cassação do mandato do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), então presidente da Casa, em 3 de novembro, 21 dias depois de protocolado pelo PSOL e pela Rede. Desde então, as sessões foram marcadas por discussões entre aliados e adversários de Cunha, além de trocas de relator e de integrantes do colegiado, entre outras manobras que retardaram o processo, considerado o mais longo da história da Casa. Em 14 de junho, a comissão aprovou, por 11 votos a 9, relatório do deputado Marcos Rogério (DEM-RO) pedindo a cassação do deputado afastado.

2. CCJ

A defesa de Cunha entrou com recurso na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Nesta quinta-feira, a maioria dos integrantes da CCJ rejeitou parecer do relator do caso, Ronaldo Fonseca (PROS-DF), favorável ao peemedebista.

3. Plenário

O processo segue agora para o plenário. A decisão final sobre a perda do mandato de Cunha ficará para depois do recesso e aguarda o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), marcar a votação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.