Para empreiteiras, operação tapa-buraco é "band-aid"´

A operação tapa-buraco do governo federal foi hoje, novamente, alvo de críticas por parte da Associação Nacional das Empresas de Obras Rodoviárias (Aneor). O presidente da entidade, José Alberto Pereira Ribeiro, comparou as intervenções nas rodovias a um "band-aid" e disse que o fato de o governo estar realizando uma operação desse tipo confirma que a estradas brasileiras chegaram ao "fundo do poço".Na semana passada, a Aneor e o Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon) enviaram uma carta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva questionando a eficácia das obras. "Dissemos ao presidente que essa medida é necessária, mas paliativa", relatou. "Isso que está se fazendo agora deverá se estragar com as primeiras chuvas. São obras que não mexem com a estrutura dos pavimentos".Em relação ao fato de que algumas empresas que estão tocando as obras já tiveram indícios de irregularidades detectados pelo Tribunal de Contas da União em serviços anteriores, Ribeiro ponderou que não se deve fazer generalizações. "Acho que o TCU tem de fiscalizar, mas enquanto não ficarem esclarecidas (as suspeitas), não se pode dizer que uma empresa é culpada", afirmou.Ribeiro defendeu, entretanto, a necessidade de o governo ter critérios claros na escolha das construtoras que realizarão obras sem licitação, "critérios que a sociedade não conteste", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.