Para 'Economist', Dilma pode ser 'bode na sala' para 2010

Ministra ainda não é 'candidata viável' para 2010 e deverá se recuperar da denúncia do dossiê FHC, diz revista

Da BBC Brasil, BBC

04 de abril de 2008 | 05h35

A revista The Economist sugere na edição desta semana que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, terá de ser mais do que "a mãe do PAC" se quiser ser a candidata do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2010. A publicação diz que Dilma deverá se recuperar do escândalo dos cartões corporativos porque as acusações contra ela são "indiretas" e "muito menos graves" do que as que derrubaram José Dirceu.   Veja Também: Álvaro Dias diz que tudo foi 'armado' Dossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos  Forúm: Quem ganha e quem perde com a CPI? Casa Civil faz 'caça às bruxas' para achar 'espião' do dossiê Oposição vai questionar Dilma sobre dossiê contra FHC em comissão Garibaldi lerá pedido que cria CPI no Senado     Reportagem da revista Veja há duas semanas revelou que o governo teria preparado um dossiê sobre gastos de Fernando Henrique Cardoso para intimidar tucanos na CPI dos Cartões. A denúncia provocou uma série de negativas do Planalto e acirrou os ânimos na comissão, que cobrou a quebra de sigilo de Lula e a convocação de Dilma para esclarecer a questão. Na mesma semana, o braço direito de Dilma, a secretária-executiva, Erenice Guerra, foi apontada como responsável pela execução do dossiê. A ministra negou o dossiê, mas admitiu ter feito um banco de dados de caráter oficial Ainda assim, diz a revista, diante de um presidente cada vez mais popular, a melhor estratégia da oposição poderá ser atacar Dilma, que não só é a "ministra mais poderosa" de Lula como representa hoje a sua maior chance de fazer um sucessor. A revista cita a história "interessante" de Dilma, que já foi trotskista e sofreu perseguição na época do regime militar, e diz que ela " é impressionante de perto, misturando charme pessoal e firmeza e um evidente controle de detalhes técnicos". "Mas ela ainda não é uma candidata viável para 2010", diz a Economist. "Ela é pouco conhecida fora dos círculos atentos à política." A revista se baseia na parábola do "bode na sala" citada pelo consultor político Bolívar Lamounier, para dizer que Lula poderia estar estimulando a candidatura de Dilma agora para depois oferecer outro nome. "Você conhece a história do homem que coloca um bode na sua sala de estar e depois se oferece para negociar com você para tirá-lo de lá?", disse Lamounier à revista. O texto, que tem o título "Dilma e o bode", termina com a conclusão de que a ministra "terá de se tornar mãe de muitos outros gastos do governo se quiser se tornar o negociador".     BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffEconomist

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.