Para diretora jurídica, recuo de Fernando Sarney é midiático

Segundo Mariana Uemura, 'Estado' deve decidir se concorda com extinção ou se quer que mérito seja julgado

estadao.com.br,

18 de dezembro de 2009 | 20h42

A diretora jurídica do Grupo Estado, Mariana Uemura Sampaio, considerou a iniciativa de Fernando Sarney, que anunciou nesta sexta-feira, 18, ter desistido de ação que move contra O Estado de S.Paulo, uma medida de "efeito midiático".

 

Veja Também

linkFernando Sarney propõe fim de censura conta 'Estado'

especialEntenda a censura

 

De acordo com ela, somente em janeiro o Grupo Estado vai definir se aceita ou não o fim da disputa judicial. "O anúncio de desistência da ação feito esta tarde (sexta-feira) por Fernando Sarney teve apenas efeito midiático, pois não suspendeu a censura imposta ao Grupo Estado", disse Mariana.

 

Segundo ela, o jornal deverá decidir se concorda com a extinção ou se aguarda o julgamento do mérito pela Justiça.

 

"Como o pedido de desistência da ação foi protocolado no final desta tarde (véspera do início do recesso forense), o Grupo Estado só poderá se manifestar - concordando ou não com a extinção da ação - a partir de 7 janeiro, quanto termina o recesso. Até lá infelizmente o jornal continua sob censura, de acordo com a lei vigente. Assim, apenas após o recesso o Grupo Estado decidirá se concorda com a extinção da ação proposta pelo autor (Fernando Sarney) ou se prefere que o Judiciário aprecie o mérito".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.