Para Dirceu, oposição usa crise no Esporte sem provas

De acordo com petista, partidos como PSDB, DEM e PPS montaram 'mais uma operação política para tirar um ministro do governo'

Marcelo Portela, de O Estado de S.Paulo,

24 de outubro de 2011 | 21h10

O ex-ministro e deputado cassado José Dirceu afirmou nesta segunda-feira, 24, que, mesmo sem provas, a oposição ao governo da presidente Dilma Rousseff está fazendo uso político das denúncias contra o ministro dos Esportes, Orlando Silva, para tentar derrubar mais um integrante do primeiro escalão do governo federal. Segundo Dirceu, partidos como PSDB, DEM e PPS montaram "mais uma operação política para tirar um ministro do governo".

 

Para o ex-ministro, pode haver desvio de verbas em convênios do ministério, mas "prefeito é responsável, ONG é responsável". "Não quer dizer que a presidente da República, o partido ou o ministro estão envolvidos". Para ele, o governo agiu certo ao não afastar Orlando Silva porque não pode "fazer pré-julgamento nem aceitar linchamento" sem a devida investigação.

 

Com relação aos outros ministros que saíram do governo - e à sua própria saída do governo do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva -, de acordo com Dirceu, foram questões "políticas" ou decisão dos próprios acusados de irregularidades, como Antônio Palocci. Dirceu ainda usou o caso das emendas parlamentares na Assembleia Legislativa de São Paulo para defender investigações de denúncias antes de qualquer afastamento. "Ninguém denunciou deputado ou partido", observou.

 

Aécio

 

José Dirceu ainda usou um tradicional ditado mineiro para atacar o senador Aécio Neves (PSDB-MG), um dos principais nomes do PSDB, ao dizer que a oposição faz uso político das denúncias. "O Aécio fala em pacto federativo e não fazer oposição ao Brasil e se lança candidato em 2011. Isso não é sério, é uma piada. É conversa para boi dormir, como se diz aqui em Minas", afirmou, durante lançamento de seu livro Tempos de Planície em Belo Horizonte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.