Para Dilma, queda em pesquisa é oscilação do momento

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à Presidência da República, afirmou hoje que considera "normal" sua queda nas pesquisas eleitorais, que mostraram o crescimento da senadora Marina Silva (PV) e do deputado Ciro Gomes (PSB). "São oscilações do momento", afirmou Dilma durante visita às obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no Complexo do Alemão, área de favelas na zona norte do Rio de Janeiro.

WILSON TOSTA, Agencia Estado

02 de outubro de 2009 | 12h38

Ela usa uma camiseta com a frase "É a vez do Rio - a nossa torcida é que vai fazer a diferença" e capacete decorado com símbolos da Copa de 2014 e da campanha do Rio para ser sede das Olimpíadas de 2016. Em uma hora e meia, ela conheceu as estações do futuro teleférico no Morro do Adeus e no Morro da Baiana e visitou o conjunto residencial que está sendo construído na Avenida Itaoca.

Dilma estava acompanhada pelos ministros Márcio Fortes (Cidades) e Carlos Lupi (Trabalho), além de muitos outros políticos. O governo estadual esperava que a comitiva tivesse apenas 35 pessoas, mas pelo menos 80 acompanhavam Dilma, o que causou superlotação nas vans destinadas à imprensa. Alguns jornalistas tiveram que subir a pé até as comunidades. Dilma se disse "impressionada" com o volume do investimento feito no local, de mais de R$ 490 milhões.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2010Dilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.