Para Demóstenes, PSDB ajuda Planalto

Ele alega que CPMF não é necessária e cobra mais responsabilidade fiscal

Elizabeth Lopes e Eduardo Kattah, O Estadao de S.Paulo

23 Outubro 2007 | 00h00

O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) afirmou ontem que a disposição do PSDB em abrir um canal de negociação com o governo federal em relação à aprovação da prorrogação da CPMF no Senado é um fator que favorece o governo Lula. "Se houver a aprovação, a prorrogação de alguma forma, ainda que com alíquota menor, não tenha dúvida de que isso acontecerá por conivência da oposição, nossa (DEM) ou dos tucanos", destacou, antes de participar de evento promovido pela Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB), em São Paulo.Ele sustentou que, sem os votos do PSDB e do DEM, o governo não consegue aprovar a prorrogação do tributo. Ponderou, no entanto, que, ao contrário dos tucanos, os senadores do DEM já fecharam questão contra a emenda da CPMF. "Já fechamos questão e quem votar contra (a determinação da legenda) será expulso do partido."Na avaliação de Demóstenes, se a arrecadação aumentar e o governo gastar mais, "jamais haverá equilíbrio fiscal no País".Para o senador, a CPMF não é mais necessária e o governo precisa praticar responsabilidade fiscal. A União espera arrecadar R$ 40 bilhões com a contribuição em 2008. "O governo arrecada mais e quer gastar mais. Desse jeito, vão criar novos impostos e aumentar outras alíquotas, enquanto o caminho tem de ser o inverso, que é o da economia", ponderou.BOA VONTADEPara o governador de Minas, Aécio Neves, o que o PSDB fez foi dar ao governo "uma grande demonstração de boa vontade" em relação à CPMF. Os tucanos, afirmou, defendem um acordo envolvendo a desoneração da carga tributária e a garantia de mais recursos destinados à saúde para Estados e municípios. "Acho que demos uma grande demonstração de boa vontade ou de compreensão, mas é preciso que o governo faça o mesmo." O governador do Espírito Santo, Paulo Hartung (PMDB), engrossou o coro. Os repasses, disse, estão "muito aquém das necessidades".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.