Andre Dusek/AE - 21/12/2011
Andre Dusek/AE - 21/12/2011

Para Demóstenes, DEM não se abrigou 'na sombra do poder'

Em seminário, senador goiano citou até sucessos de axé para destacar postura do seu partido frente ao governo: 'muitos dançam na boquinha da garrafa, mas só o DEM segura o tchan'

Gustavo Uribe, da Agência Estado

06 de fevereiro de 2012 | 15h37

O líder do DEM no Senado, Demóstenes Torres (GO), defendeu na manhã desta segunda-feira, 6, o papel da oposição no Brasil e criticou aqueles que "quiseram acabar com o DEM", numa referência ao PSD, partido criado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. Para ele, apesar da tentativa de acabar com a legenda, o DEM resistiu na oposição graças aos votos dos eleitores de todo o Brasil.

 

Demóstenes argumentou que o DEM não se abrigou "na sombra do poder". "É melhor ser cabeça de cachorro do que rabo de leão", disse, referindo-se ao fato de o PSD integrar a base aliada do governo da presidente Dilma Rousseff. "Muitos dançam na boquinha da garrafa, mas só o DEM segura o tchan", acrescentou, citando dois sucessos do grupo de axé É o Tchan.

 

As declarações foram feitas em discurso nesta manhã durante o Primeiro Seminário de Preparação de Candidatos, promovido em um hotel da capital paulista.

 

Demóstenes Torres ressaltou ainda que houve, nos últimos anos, melhora nos índices sociais no Brasil, mas que a violência nunca esteve tão alta. Ele elogiou a política adotada pelo governo de São Paulo no combate ao tráfico de drogas, citando inclusive a operação policial deflagrada no início deste ano na região cracolândia. "A violência recuou em São Paulo porque foram adotadas políticas eficientes."

 

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, também participou do evento. O PSDB tem dialogado com o DEM em nome do apoio de um candidato tucano à sucessão da Prefeitura de São Paulo. A referência ao grupo É o Tchan, feita pelo senador do DEM, arrancou risos do governador. "Hoje aprendi mais uma aqui", afirmou o tucano.

Tudo o que sabemos sobre:
seminárioDEMDemóstenes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.