João Ricardo/PTB
João Ricardo/PTB

Cristiane Brasil diz que 'machismo' a impediu de assumir Ministério do Trabalho

Deputada federal, impedida de virar ministra do Trabalho após um imbróglio jurídico, apresentou projeto que pune violência política cometida contra mulheres

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

06 Março 2018 | 18h36

A deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) afirmou ter sido alvo de "machismo" e de "uma verdadeira caçada" ao ser impedida de assumir o Ministério do Trabalho. Para ela, a reação após o seu nome ter sido indicado para o cargo aconteceu "basicamente por ser mulher".

Em seu primeiro discurso desde que voltou à Câmara, no fim de fevereiro, a deputada apresentou um projeto para estabelecer como crime eleitoral a violência política cometida contra mulheres. Citando nomes como a senadora petista Gleisi Hoffmann (PR), disse que não era a primeira a sofrer agressões no ambiente político.

++ Decreto anula nomeação de Cristiane Brasil como ministra do Trabalho

"Fui vítima de uma verdadeira caçada, uma devassa, e aqui deixo uma indagação para vocês: se o indicado fosse um homem, teria sido alvo do mesmo tipo de caçada? Eu não vi outros personagens que assumiram ministérios, principalmente homens, terem sua vida devassada com a mesma virulência que eu tive. Por isso acredito que fui vítima de tamanha agressividade basicamente por ser mulher. E mais: por ser uma mulher tentando fazer um bom trabalho na atividade política", afirmou da tribuna, para um plenário vazio.

 

O episódio que traz mais mágoa para Cristiane é a repercussão de um vídeo em que ela aparece em um barco, ao lado de quatro amigos sem camisa, criticando as ações que foram movidas contra ela na Justiça Trabalhista e que resultaram na suspensão de sua posse como ministra. "Ficaram falando que eram garotões, sarados. Todos tinham uma barriguinha, estávamos lá com as nossas famílias", disse ao Estado.

++ PTB não chega a consenso e mantém interino no Trabalho até março

A divulgação do vídeo, no fim de janeiro, causou desconforto até mesmo entre deputados do seu partido, o PTB. Algumas semanas depois, em 20 de fevereiro, o presidente da legenda e pai de Cristiane, Roberto Jefferson, anunciou que o partido havia desistido da indicação da deputada para o ministério.

Cristiane foi impedida de tomar posse por um juiz da primeira instância, sob a alegação de que ela havia sido condenada em ações trabalhistas. O caso chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas o partido desistiu da indicação antes de o caso ser discutido pelo plenário da Corte.

Enquanto esperava por uma decisão da Justiça, outras denúncias apareceram contra a deputada. Em fevereiro, o Estado mostrou que Cristiane é alvo de inquérito por associação com o tráfico de drogas na campanha de 2010. Ela nega as acusações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.