Para Corrêa, subteto vai gerar lucro para os Estados

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Maurício Corrêa, disse hoje, ao sair de reunião com líderes partidários do governo e da oposição no gabinete do presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), que a fixação do subteto para o Judiciário estadual vai significar lucro para os Estados. Segundo Corrêa, após a fixação do subteto, os governadores dos Estados terão uma forma imediata de aplicar o dispositivo para cortar o salário de quem ganha mais. "Quero enfatizar que, estabelecido o subteto, de qualquer maneira o lucro dos Estados será incomensurável", disse Corrêa. Ele considerou irrelevante a questão de se fixar a vinculação entre os salários dos desembargadores e de ministro do STF em 85%, 75%, 84% ou 88%. Segundo ele, o que é preciso é cumprir o artigo 932, inciso 5º, da Constituição, que já estabelece essa vinculação. Corrêa disse que o que faltava era a regulamentação e que a reforma faz essa regulamentação. Portanto, a partir do momento da promulgação da emenda constitucional, ela tem que ser cumprida. O presidente do STF prometeu também fazer um apelo aos magistrados para que abandonem a idéia de fazer a greve marcada para o período de 5 a 12 de agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.