Para CNBB, governo rever legislação sobre aborto é "desatino"

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) condenou a iniciativa do governo federal de propor a revisão da lei do aborto para ampliar as possibilidades legais da interrupção da gravidez, classificando-a implicitamente de "desatino" e um "menosprezo pela vida". O presidente da entidade, o cardeal-arcebispo de Salvador dom Geraldo Majella Agnelo, por meio de nota, disse que a Igreja reafirma "o princípio ético do pleno respeito à dignidade e à vida do ser humano, não importando o estágio do seu desenvolvimento ou a condição em que ele se encontra", Dom Geraldo não tem conhecimento se a CNBB será uma das entidades da sociedade que será chamada para integrar a comissão que estudará o assunto, mas afirmou que se o convite ocorrer enviará representante para defender sua posição contrária à iniciativa. Ele lamentou o fato de o governo tratar do tema quando tem tanta coisa para se preocupar na área social. "Acho que todos devem trabalhar para o bem e não para a morte".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.