Taba Benedicto/Estadão - 15/7/2019
Taba Benedicto/Estadão - 15/7/2019

Para Ciro Gomes, Lula é ‘passado, e não racional’

Segundo o ex-ministro, o PT não tem um candidato 'viável' porque peca justamente na articulação

Sofia Aguiar e Daniel Galvão, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2021 | 19h18

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) disse, nesta sexta-feira, 30, ao Broadcast Político ser o nome mais viável fora da polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições de 2022. Segundo ele, Lula representa o “passado, fragmentado e não racional”, enquanto Bolsonaro pode nem participar da disputa eleitoral. “Não tem nem partido político”, disse.

Ciro disse que a população vai se “surpreender” com as alianças que o PDT está articulando nos Estados com foco nas eleições. Para ele, o PT não tem um candidato “viável” porque peca justamente na articulação.

Na entrevista, Ciro avaliou que a adoção do voto impresso nas eleições é um retrocesso que representa uma “preguiça” institucional. Ele sugere, apesar de acreditar na inviolabilidade da urna atualmente utilizada, uma combinação entre a tecnologia da urna eletrônica e um comprovante do voto que seria depositado numa urna inviolável, por amostragem.

Como forma de tirar argumentos do chefe do Executivo, o ex-ministro avalia que poderia ser implementado um método em alguns locais para garantir a amostragem dos votos. Segundo Ciro, além da confirmação do voto na urna eletrônica, a ideia é que seja emitido, também, um papel com os registros dos votos. Conforme explica, o registro impresso, após o eleitor checar e validar as informações, deveria ser depositado em local inviolável. A contagem principal dos votos seguiria pela urna eletrônica, mas caso haja qualquer dúvida, a população teria os votos impressos para confirmar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.