Para CGU, elevação dos saques é ''''fenômeno sazonal''''

A Controladoria-Geral da União (CGU) se disse ontem "favorável a uma maior limitação dos saques em dinheiro" feitos pelos servidores públicos com os cartões de crédito corporativos. Segundo a assessoria de imprensa da CGU, esse ponto de vista "já foi manifestado ao Ministério do Planejamento, que é o órgão competente para disciplinar a matéria". "O que deve ser observado é a preferência pela compra direta mediante faturamento e a limitação dos saques em dinheiro para os casos em que isso seja inviável." Para a CGU, contudo, o crescimento nos gastos com cartões registrado em 2007 "constitui fenômeno sazonal". Explica que isso se deve principalmente à realização do censo agropecuário e do censo populacional nos municípios pequenos e médios (até 170 mil habitantes), além das ações de inteligência dos Jogos Pan-americanos, no Rio de Janeiro". A CGU informa que "no caso dos censos, os agentes do IBGE visitaram, nos últimos três meses, os 5,6 milhões de estabelecimentos agropecuários do País e estão indo a 30 milhões de domicílios em pequenas cidades e áreas rurais". Por conta disso, o IBGE recebeu autorização especial do Ministério do Planejamento para elevar o teto dos cartões dos coordenadores do censo, conforme os esclarecimentos prestados pelo órgão à CGU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.