Para Biscaia, dono da Planam protege parlamentares

O presidente da CPI, Antônio Carlos Biscaia (PT-RJ), também ameaçou pedir à Justiça do Mato Grosso a retirada dos benefícios da delação premiada - que permite a redução da pena a quem colabora com o Judiciário durante os depoimentos - dada ao empresário Luiz Antônio Trevisan Vedoin, um dos donos da Planam, principal operadora da máfia das ambulâncias.Biscaia disse estar desconfiado de que Vedoin poupe parlamentares envolvidos no esquema da venda superfaturada de ambulâncias com recursos de emendas ao Orçamento-Geral da União. Segundo ele, numa comparação entre o depoimento dado durante 11 dias à Justiça Federal e o testemunho à CPI, na quinta-feira (03), o empresário inocentou oito congressistas de envolvimento no esquema."Eu adverti o Vedoin. Se ficar evidenciado que ele inocentou alguém em alguma negociação, vou pedir ao juiz do Mato Grosso - encarregado do julgamento do processo contra ele - que ele perca os benefícios da delação premiada e volte para a prisão", relatou.Biscaia disse que, na comparação dos dois testemunhos, há 13 pontos de conflito, oito deles considerando inocentes alguns políticos.Sem segredoO presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Sanguessugas, Antônio Carlos Biscaia (PT-RJ) anunciou, na tarde desta terça-feira, 08, que foram liberados do chamado segredo de justiça os documentos referentes à sua CPI, que estavam no Supremo Tribunal Federal.Desta maneira, os documentos poderão, agora, ser livremente divulgados. O deputado considerou a decisão da justiça, como de "extremo bom senso". Colaborou Milton F.da Rocha Filho

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.