Para Bernardo, caso Renan desgastou o Senado

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, admitiu hoje que o processo que levou o Senado a votar pela cassação ou absolvição do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) foi desgastante para o Senado, mas afirmou que a permanência do senador na presidência do Senado é uma boa oportunidade para destravar a pauta de projetos importantes para o País que ainda devem ser votados. "Eu acho que esse processo, reconhecidamente, foi muito desgastante para o Senado. Acho que desgastou o senador Renan Calheiros, mas com certeza foi muito ruim para a imagem do congresso. Hoje, na Câmara, tinha parlamentares brigando de soco. Isso não é bom", afirmou. Segundo ele, a melhor maneira de melhorar a imagem do Congresso "é fazer votar projetos importantes". Como exemplos de projetos com importância para o País, Bernardo citou um que diminui a burocracia na abertura e fechamento de empresas. "Acho que é um momento excepcional para as lideranças do Congresso, particularmente do Senado, colocarem uma nova agenda, repactuar os trabalhos. Isso interessa para todos e para a democracia. Não é bom termos um dos poderes da República desgastado, as pessoa achando que não funciona", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.