Para Bernardo, adiamento é ''natural'' e tributo tem ''grande chance'' de aprovação

Mesmo depois de dois adiamentos, o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, está otimista quanto à criação da Contribuição Social para a Saúde (CSS). Para o ministro, apesar de a votação ter ficado para a semana que vem, por causa de uma manobra da oposição, o projeto "tem grande chance" de ser votado e aprovado.Bernardo considerou "natural" o adiamento. "Paciência. É uma coisa lá do Congresso. Nós sabemos que esse projeto não é uma coisa simples: vai lá e vota. É um projeto polêmico", declarou. "Todos querem resolver o problema da saúde. O problema é como fazer isso."?AVANÇO?Questionado se acredita que a proposta será votada na semana que vem, Bernardo respondeu: "Olhando de fora, a sensação que se tem é de que o processo está avançando. Mas não sei quais são todas as articulações, as posições e detalhes. Acho que tem grande chance."Ao ser indagado se os recursos da CSS são imprescindíveis para as contas do governo, o ministro ironizou: "Quem tem de responder é quem propôs. Não fizemos essa proposta."Quanto ao apoio dos governistas à nova contribuição, o ministro disse que "a base tem o direito de apoiar, mas parece que tem gente da base que não está apoiando também". E emendou: "Temos uma orientação do presidente de não falar. Portanto, eu já estou transgredindo."

Tânia Monteiro, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

06 de junho de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.